Clique e assine por apenas 4,90/mês

Como o mundo dos negócios está se adaptando aos novos tempos

Uma turma de empreendedores corre para se reinventar em meio à crise e o resultado surpreende: eles estão muito bem, obrigado

Por Fabio Codeço - Atualizado em 5 jun 2020, 18h11 - Publicado em 5 jun 2020, 06h00

A crise deflagrada pelo novo coronavírus imprensou a economia, fez com que muitos negócios fossem fechados e obrigou outros a buscar caminhos para a sobrevivência e a se reinventar. Essa capacidade de adaptação em meio à pandemia é decisiva agora e continuará a ser depois dela, uma vez que o mundo não sairá o mesmo do atual tsunami.

Antes da quarentena, medida vital para frear a curva de contágio, apenas uma de cada quatro empresas sediadas no Rio possuía e-commerce, segundo levantamento da Fecomércio. Pois aquelas que estavam de fora do comércio virtual tiveram de aderir a ele rapidamente, em um esforço que envolveu aprendizado e investimento. “As empresas precisaram se ajustar e correr para adquirir tecnologia. Podemos dizer que avançamos uns dez anos em quarenta dias”, afirma o presidente da federação, Antonio Queiroz.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Há muitos exemplos na cidade de gente que vem demonstrando elevado senso de oportunidade. Junto com seus sócios na rede T.T. Burger, que precisou suspender o atendimento em suas cinco lojas por causa do isolamento, o chef Thomas Troisgros acaba de inaugurar uma hamburgueria inteiramente digital. Lançada em 12 de maio, a Três Gordos opera seis dark kitchens (cozinhas montadas apenas para delivery) em diferentes bairros – embora o endereço não seja tão relevante, já que as vendas são virtuais.

Continua após a publicidade

Também o menu se amoldou aos novos tempos, podando os preços. “Vamos oferecer um produto mais simples e barato, que alcance mais gente”, conta Troisgros. A crise acelerou o projeto, posto de pé em duas semanas e já planejado para operar no que deve ser o novo normal. O transporte dos funcionários é feito por vans da empresa, equipes de até cinco pessoas por cozinha se revezam em dias alternados e protocolos de higiene são seguidos com disciplina.

Os negócios, já se sabe, terão de levar em conta conceitos que emergem com a pandemia, como distanciamento social, restrições no trânsito das pessoas de modo a evitar aglomerações e uma severa cartilha de higiene e proteção à saúde. A consultoria americana Bain & Company, que tem escritório no Rio, fez um estudo global que observou a trajetória de diversos setores nas primeiras semanas de quarentena pelo mundo, inclusive no Brasil.

O economista Gabriel Pinto: “A habilidade para reagir diante do imprevisível é o que nos diferencia” Divulgação/Veja Rio

Entre os que mais cresceram – e que segundo a consultoria seguirão em rota ascendente pós-coronavírus – estão o ensino à distância, as áreas de nutrição e saúde e a telemedicina (a lei que regulamenta a atividade foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em abril). Para dar um exemplo local de negócio impulsionado pela realidade pós-vírus, a startup carioca Conexa Saúde, que oferece soluções tecnológicas a médicos, pacientes e empresas, conseguiu no mês de março cravar um número de clientes que era esperado para o ano todo.

E não foi a única. Outro segmento que se engrandeceu nestes tempos de confinamento foi o de entretenimento on-line – plataformas de streaming como Netflix nunca foram tão requisitadas (uma breve medida disso: a empresa americana registrou 15,8 milhões de novos usuários no primeiro trimestre de 2020, o dobro do que era previsto). Com o lazer transferido para o lar, Juliana Brittes, dona de uma agência virtual que fazia a ponte entre contratantes e artistas para shows ao vivo, teve de se mexer.

Continua após a publicidade

E acabou descobrindo, como tanta gente, o inesgotável universo das lives. Ela criou uma plataforma, a Sound Club Live, para que artistas, sobretudo aqueles sem o patrocínio de grandes marcas, conseguissem ser remunerados pelas exibições a distância. “Funciona à base de doações voluntárias ou de um couvert artístico, como o dono da live preferir”, explica Juliana, que ganha um porcentual por apresentação.

Às vezes, soluções antigas têm sido a resposta para os problemas de hoje. Produtor de eventos, área entre as mais afetadas pelo isolamento, André Barros embalou na onda mundial e desenterrou o drive-in. Desde 28 de maio ele comanda na Jeunesse Arena, na Barra da Tijuca, o LoveCine, um cinema a céu aberto onde a plateia assiste aos filmes na segurança de seu automóvel. Com capacidade para 180 veículos (e até cinco pessoas por carro) e com duas a três sessões diárias, o projeto, fruto de um investimento de 500 000 reais, segue com a programação a toda até 28 de junho.

“Neste momento de distanciamento social, esse é um tipo de encontro possível”, diz Barros. Com o intuito de evitar filas e aglomerações, a compra de comida e bebida é feita por aplicativo e entregue na janela do veículo. Para o Dia dos Namorados, ele planeja um festival batizado de We Live Rio, que terá como cenário o cartão-postal do Pão de Açúcar e oferecerá shows e uma série de atrações simultâneas. Mas calma lá: será tudo sem público, transmitido via internet.

A crise tem acelerado o desenrolar da chamada Quarta Revolução Industrial, termo cunhado pelo alemão Klaus Schwab, diretor e fundador do Fórum Econômico Mundial,  para definir a transformação radical que novas  tecnologias vão impor ao mundo, mudando a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Em um momento em que, de acordo com estudos, 60% das profissões no Brasil estão vulneráveis diante do avanço da digitalização, as pessoas terão de exercitar capacidades como resiliência e o poder de se recolocar na nova ordem.

Continua após a publicidade

Autor do livro Passaporte para o Futuro, lançado em maio, o economista e especialista em mercado de trabalho Gabriel Pinto enfatiza que à humanidade caberá exercer a criatividade em grau extremo. “A habilidade para reagir diante do imprevisível e do inusitado nos diferencia de forma importante das máquinas”, observa ele. Conhecido por saber dançar conforme o samba, o carioca tem tudo para se sair bem neste admirável mundo novo.

Crise, que crise?
Seis setores que estão avançando nos tempos de pandemia e devem seguir crescendo depois dela

Ensino à distância
Mais baratos, os cursos virtuais de graduação ou mesmo livres têm tudo para continuar se expandindo diante da necessidade de reinvenção profissional

Entretenimento on-line
Com cinemas, teatros e casas de show fechadas, as plataformas de streaming se tornaram grandes aliadas da população confinada. Só a Netflix registrou mais de 15 milhões de novos usuários no primeiro trimestre deste ano

Ferramentas para trabalho remoto
Aplicativos de videoconferência, como o Zoom, foram a saída encontrada paras as reuniões que acontecem durante o home office e estão aí para ficar, visto que cada vez mais gente vai despachar de casa

Nutrição e saúde
Negócios de alimentação saudável, percebida como fortalecedora da imunidade e aliada contra doenças, estão
em alta, assim como aplicativos de exercícios e bem-estar, especialmente os de ioga e meditação

Telemedicina
Recém-regulamentada, a prática promove o exercício da medicina por meio de tecnologias — seja para assistência, pesquisa, prevenção ou promoção de saúde — e assim ajuda a desafogar o esgarçado sistema hospitalar

Plano de saúde e seguro de vida
A ameaça do novo coronavírus fez com que as pessoas corressem atrás de meios para se resguardar e para proteger o próximo

Publicidade