Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como será o novo museu que vai abrir as portas dentro do Jardim Botânico

Fechado desde 2019, ele será reinaugurado no ano que vem com exposição permanente e de longa duração graças a patrocínio de 10 milhões de reais

Por Da Redação 29 jun 2022, 13h00

O casarão do século XIX que hoje abriga o Museu do Meio Ambiente, no Jardim Botânico, passará por uma grande transformação. E sua reinauguração está prevista para o segundo semestre de 2023, após quatro anos fechado e com problemas estruturais, como infiltrações. A reabertura contará com uma exposição permanente de longa duração que marcará uma nova fase do Programa Ecomuseu, transformando a história bicentenária do Jardim Botânico em um grande museu a céu aberto. A reforma e transformação do museu em porta de entrada e receptivo do Ecomuseu serão possíveis graças a um investimento inicial de 10 milhões de reais, previsto em um acordo de três anos fechado nesta terça (28) com a Shell Brasil, que agora é Patrocinadora Master do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, referência mundial para pesquisa em botânica e conservação da biodiversidade, além de patrimônio cultural e histórico do país.

+ Área de lazer passa por revitalização para se tornar polo gastronômico

O conceito de Ecomuseu traz para o Jardim Botânico a perspectiva de um museu de território, com conexão de todo seu acervo, oferecendo aos visitantes uma visão integrada do vasto patrimônio histórico e natural ali presente. O acordo também prevê outras benfeitorias e ações gratuitas para o público ainda em 2022.

“É com grande alegria e expectativa que celebramos esta parceria de tanto potencial, que impulsionará uma iniciativa inédita para o Jardim Botânico do Rio através da valorização de seu rico acervo científico, histórico e cultural, além de potencializar a disseminação do conhecimento aqui abrigado e produzido”, destacou a presidente do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Ana Lúcia Santoro.

+ Flamengo avança nas negociações para realizar o sonho do estádio próprio

Continua após a publicidade

Atualmente, o Jardim Botânico reúne mais de 22.700 plantas nas coleções vivas e cerca de 3.400 espécies cultivas em seu arboreto, com área de visitação pública de 54 hectares, além de possuir um centro de pesquisas com a mais completa biblioteca de botânica do país, com aproximadamente 110 mil volumes, e o maior herbário da América do Sul, abrigando mais de 850 mil amostras de plantas catalogadas.

“Devolver para o Rio o Museu do Meio Ambiente e ajudar a transformar todo o acervo bicentenário do JBRJ em um grande ecomuseu é motivo de verdadeiro orgulho para a Shell. Valorizar uma instituição tão importante como o Jardim Botânico é acreditar no desenvolvimento sustentável e no respeito à natureza, um dos pilares centrais da nossa estratégia global”, celebra André Araujo, presidente da Shell Brasil. Para ele, a parceria é mais uma clara demonstração da companhia na busca constante pela descarbonização e transição energética, reforçando um compromisso de mais de 100 anos com o Brasil.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Este é o primeiro grande acordo celebrado no âmbito do Marco de Parcerias, lançado pelo Jardim Botânico do Rio no ano passado. Através desta portaria, parceiros que valorizam a conservação da biodiversidade e a disseminação do conhecimento científico podem fazer parte da construção da história do Jardim. O Programa de Parcerias não prevê transferência de recursos financeiros para o JBRJ. Os projetos serão executados diretamente pelo patrocinador ou indiretamente, por meio de operadores, sob a supervisão do Jardim Botânico.

Para execução e gestão do Museu do Meio Ambiente, a Shell selecionou o Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG). “Temos em mãos uma oportunidade de avançar ainda mais no debate da conservação da biodiversidade, mostrando para o público como a produção científica e o trabalho cotidiano do Jardim Botânico são fundamentais para ações do poder público com foco em conservação ambiental”, conta Ricardo Piquet, diretor-presidente do IDG.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês