Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Casa da Democracia: Palácio Tiradentes passa por ‘faxina’ para virar equipamento cultural

Além da retirada de divisórias e fios, já foram catalogados 705 móveis históricos de prédio que foi sede Câmara dos Deputados e da Alerj

Por Paula Autran Atualizado em 1 nov 2021, 07h13 - Publicado em 1 nov 2021, 07h12

Primeiro prédio a ser construído especificamente para ser sede de uma Casa Legislativa brasileira, depois de mais de nove décadas o Palácio Tiradentes está prestes a ser oficialmente promovido a Casa da Democracia Brasileira.  Após a transferência dos trabalhos legislativos para o edifício Lúcio Costa, há cinco meses, o  antigo prédio da Câmara dos Deputados, de 1926 a 1960, e ex-sede da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), até julho deste ano, está passando por uma espécie de faxina. É o primeiro passo para que possa se tornar um novo equipamento cultural do estado. Afinal, ali está reunido um grande e importante acervo histórico, a começar pela construção arquitetônica, incluindo mobiliário e pinturas.

+ Busão das Artes: universo de fungos e bactérias é explorado em mostra dentro de caminhão adaptado

“Ao longo dos anos, o prédio foi sendo adaptado para receber novas tecnologias, foram surgindo muitos puxadinhos, divisórias, fios. Estas coisas precisavam ser retiradas rapidamente. Estamos quase terminando este trabalho”, diz a assessora especial da Alerj Maria Lúcia Horta, que está à frente do trabalho de restauração do Palácio.

Segundo Maria Lúcia, já foram catalogados 705 móveis históricos distribuídos pelos cinco andares do edifício. Do total, 226 são cadeiras do plenário. Há ainda “poltronas de imbuia de tom noyer-ciré (noz encerado) e forradas em veludo Boticelli, do neorrenascimento francês, em estilo Francisco I”, na decoração do Salão Nobre. E “austeras cadeiras em jacarandá e couro da Biblioteca e seu Salão de Leitura”, além “mosaicos e estofados que se distribuem pelas salas de lideranças partidárias, imprensa e Plenário”, em estilo Luiz XVI. Outro destaque é “o toque do gótico português na decoração neomanoelina da Sala da Presidência e da antiga Vice-Presidência da Câmara”.

+ Jogo duro: Flamengo, Fluminense e Vasco na disputa pela concessão do Maracanã

A proposta da criação da Casa da Democracia Brasileira ainda está em fase de alinhamento de perfil. Um dos projetos iniciados é o da Oficina Escola de Restauro e Conservação, que está sendo estruturada com a Escola do Legislativo (Elerj). “A escola é um sonho. Queremos preparar profissionais para este trabalho tão importante. Eles poderão atuar como artífices no campo de restauração, com aulas práticas e teóricas, numa perspectiva de educação patrimonial“, planeja Maria Lúcia, que quer começar os trabalho nas áreas de mobiliário, metais e vitrais. Na sequência virão pintura, estuque, cantaria, mosaicos e outros elementos pétreos.

Continua após a publicidade

 

Vista do interior do Palácio Tiradentes
O antigo plenário da Alerj: 705 móveis já cadastrados, sendo 226 cadeiras instaladas ali. Alerj/Julia Passos/Divulgação

Também está sendo elaborado um Centro de Pesquisa com o acervo da Biblioteca da Casa, que abriga obras centenárias, além de cópias dos diários oficiais do estado. “Brasília saiu dali. O que temos de República saiu dali”, lembra Maria Lúcia.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Há ainda um bom acervo de fotos do palácio feito pela equipe da comunicação social, que deve gerar uma exposição. Além disso, as visitas guiadas devem ser retomadas até o fim do ano. Até lá, exposição de Dante Alighieri segue aberta, no Salão Nobre.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês