Clique e assine por apenas 4,90/mês

Empresas descumprem acordo e motoristas de ônibus entram nas estatísticas

Mesmo com a redução da frota em circulação a 30% do total, categoria perdeu 31 profissionais para a Covid-19 e teve outros 135 contaminados até 21 de maio

Por Pedro Tinoco - Atualizado em 5 jun 2020, 18h03 - Publicado em 5 jun 2020, 06h15

A ameaça a profissionais da saúde em tempos de pandemia se revela de forma clara no assombroso número de vítimas entre médicos e enfermeiros. Há, no entanto, outras atividades que colocam as pessoas em grande risco, e os motoristas de ônibus fazem parte dessa lista. Até 21 de maio, mesmo com a redução da frota em circulação a 30% do seu efetivo total, a categoria perdeu 31 profissionais para a Covid-19 e teve outros 135 contaminados.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

No processo de adaptação aos desafios da pandemia, uma série de regras foi acertada entre os sindicatos dos rodoviários e dos donos de empresas e a prefeitura. “Sugerimos a instalação de uma proteção no lugar do motorista, mas a ideia não foi adiante.

O equipamento de proteção individual, como máscaras e luvas, ficou a cargo das empresas, mas umas cumprem o combinado, outras nem tanto. O álcool em gel é por conta do profissional mesmo”, explica Antonio Bustamante, dirigente do Sindicato dos Rodoviários do Rio de Janeiro, antes de lamentar as baixas na própria entidade: “Na nossa diretoria tivemos cinco doentes e um óbito”.

‘Passando a boiada’: saiba mais sobre projetos que alteram padrões urbanísticos do Rio

Fiscais da Covid-19 em ação: desrespeito a decretos estão em alta na cidade

O incrível caso do tomógrafo que foi parar no pátio da Igreja Universal da Rocinha

Continua após a publicidade
Publicidade