Clique e assine por apenas 4,90/mês

Ministro da Aviação diz que parceria para reforma do Santos Dumont deu certo

Guilherme Ramalho disse que a parceria da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) com o setor privado para a reforma do terminal alcançou bons resultados

Por Agência Brasil - Atualizado em 2 jun 2017, 12h13 - Publicado em 25 fev 2016, 14h03

Após visitar nesta quarta (24) o Aeroporto Santos Dumont, o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Guilherme Ramalho, disse que a parceria da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) com o setor privado para a reforma do terminal alcançou bons resultados.

O modelo de concessão do Santos Dumont prevê exploração comercial de áreas do terminal, mas a administração sem mantém com a Infraero.

+ Obras de ampliação do Galeão devem ser entregues em abril

“Esse é um modelo possível graças à parceria da Infraero com empresas privadas. A parceria do setor público com o setor privado tem se mostrado altamente vitoriosa nos aeroportos”, disse

Com a reforma, o Santos Dumont terá novas áreas de alimentação, shopping center, hotel e centro de convenções. As obras estão em fase de conclusão e serão entregues a tempos dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio 2016.

Além da ampliação da área comercial, o aeroporto teve o pátio reconstruído. A área de 75,3 mil metros quadrados para movimentação das aeronaves nos pousos e decolagens já está em operação. “As obras garantem que as operações ocorram com mais segurança”, disse o ministro.

Para não interromper os serviços, a reconstrução do pátio foi feita em dez etapas. Todo o revestimento foi substituído e passou a ter uma estrutura reforçada, com um novo sistema de drenagem de solo, aplicado em pavimento de concreto, além de sinalização horizontal.

Guilherme Ramalho no Santos Dumont
Guilherme Ramalho no Santos Dumont

Área de alimentação e shopping

Na visita de hoje, Ramalho também vistoriou a parte comercial no 2º pavimento do terminal de passageiros, onde foram construídos 16 espaços para lojas e alimentação. “É a área de alimentação com maior vista da Baía de Guanabara”, destacou o ministro. Esta parte da obra está recebendo os detalhes finais para ser entregue aos lojistas e deve estar em funcionamento até a Olimpíada.

No novo shopping do Santos Dumont, batizado de Bossa Nova, das 25 lojas, 12 já estão abertas, de acordo com o superintendente do aeroporto, Iberê Oliveira. O hotel que integra o complexo, com 300 apartamentos, também está funcionando. A parte nova do terminal tem ainda um centro de convenções para 800 pessoas, um business center com mais de 4 mil m², estacionamento com 250 vagas e três restaurantes.

De acordo com a Secretaria de Aviação Civil, as obras do pátio custaram R$ 46,5 milhões e as da área comercial, R$ 11 milhões.

Ontem (23), o Subcomitê de Acessibilidade, composto por integrantes da SAC, da Secretaria de Direitos Humanos, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e da Casa Civil da Presidência da República, também visitou o Santos Dumont para verificar se foram implantadas as sugestões de acessibilidade no aeroporto apresentadas na visita de julho do ano passado.

Em maio, haverá um simulado de acessibilidade com a participação de pessoas com deficiência, empresas aéreas, da Infraero, do Comitê Rio 2016 e trabalhadores do aeroporto.

Publicidade