Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Leme é o bairro carioca com maior desvalorização do metro quadrado em 2020

O Maracanã, por sua vez, foi o que mais se valorizou. Ali, o metro quadrado dos imóveis variou 10,81%

Por Carolina Barbosa 6 jan 2021, 13h23

Mesmo com retração em diversos setores diante da pandemia, a intenção de compra de imóveis e seus valores cresceram, segundo balanço divulgado pelo índice FipeZap de Preços de Imóveis Anunciados, desenvolvido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e pelo portal ZAP. Tal indicador acompanhou a variação no valor médio do metro quadrado de casas e apartamentos prontos em cinquenta cidades brasileiras, com base em anúncios na internet, entre janeiro de 2020 e 14 de dezembro de 2020.

+ IPTU 2021: para cortar custos, prefeitura deixa de enviar carnês

No Rio, município com maior peso na composição do indicador (junto a São Paulo), os valores médios de venda para imóveis residenciais fecharam 2020 com altas acumuladas de 1,60%. O Maracanã, por sua vez, foi a região que mais se valorizou. Ali, o metro quadrado dos imóveis cresceu 10,81%, atingindo o patamar de R$ 7 373,31. Em números absolutos, os bairros mais caros por metro quadrado são Ipanema (R$ 17 847,84) e Lagoa (R$ 16 429,45).

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

A maior desvalorização, por sua vez, foi no Leme, com variação de -3,52% no metro quadrado, seguido de Rio Comprido (-2,20%), São Conrado (-2,09%), Andaraí (-1,37%), Lins de Vasconcelos (-0,92%), Méier (-0,69%), Copacabana (-0,24%), Vila Isabel (-0,15%) e Cachambi (-0,12%). O indicador ressalta que os bairros analisados não representam a totalidade do município. O relatório completo pode ser acessado aqui. 

 

Continua após a publicidade
Publicidade