Clique e assine por apenas 3,90/mês

Lagoon, que já viveu ótima fase, tem futuro incerto a partir de dezembro

Contrato de concessão do complexo na Lagoa termina no fim do ano; responsável pelo equipamento, Suderj diz que 'está analisando as etapas seguintes'

Por Pedro Tinoco - Atualizado em 16 out 2020, 13h34 - Publicado em 16 out 2020, 07h00

Projeto dos anos 50, o Estádio de Remo da Lagoa nunca foi plenamente voltado para sua função original e, durante anos, acabou relegado ao abandono. Em 1997, o governo do estado firmou contrato de concessão com a empresa Glen Entertainment, com duração de dez anos a partir do término das obras para a implantação do empreendimento.

Marina da Glória disputada: turismo náutico está em alta no Rio

O Complexo Lagoon foi inaugurado em 2010, o que significa que a concessão está chegando ao fim. Em sucinto comunicado oficial, a Suderj, órgão público responsável pelo equipamento, informa: “O Termo de Permissão de Uso está em vigência até dezembro de 2020. Encontra-se em andamento análise das etapas seguintes”.

Viúva de Alfredo Sirkis vai inaugurar instituto com seu nome para manter o legado do ambientalista

Sonhar não custa nada: edição de luxo mostra mansões em Angra, Paraty e várias partes do mundo

O Lagoon viveu bons momentos, com vários restaurantes do primeiro time instalados ali (foto) e palco para shows — hoje fechados —, além do Cinépolis, complexo com seis salas de cinema. “A permissão de uso incluía um convênio com a Federação Estadual de Remo que foi rescindido há anos. Está mais do que na hora de uma licitação”, opina Paulo Carvalho, presidente da entidade. Aguardem cenas dos próximos capítulos.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade