Clique e assine por apenas 7,90/mês

Jogo do bicho pode se tornar patrimônio imaterial do Rio

Proposta está em análise pelo Instituto Rio Patrimônio da Humanidade. Jogo do bicho surgiu há quase duzentos anos na cidade

Por Redação VEJA RIO - Atualizado em 5 dez 2016, 11h17 - Publicado em 9 jun 2016, 16h25

Uma das atividades da contravenção que mais gera lucros, o Jogo do Bicho pode se tornar patrimônio imaterial da cidade. A proposta está em análise pelo Instituto Rio Patrimônio da Humanidade e é considerada também uma manifestação cultural pelos defensores do projeto.

+ Bondinho oferece meia-entrada para cariocas no mês de junho

O jogo do bicho foi idealizado em 1892, quando o Barão João Batista Vianna Drummond tentou atrair visitantes para o seu zoológico, que estava prestes a ser fechado. A dinâmica do jogo foi criada a partir dos 25 tipos de animais que existiam em seu zoo, em Vila Isabel. Cada ingresso vendido para entrar no zoológico era associado a um animal e dava direito à participação no sorteio. Apesar do sucesso, desde a sua criação a atividade faz parte dos jogos de azar, proibidos no Brasil.

+ Três espetáculos de dança são apresentados no Ziembinski

Publicidade