Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Que tal um ‘aumigo’? Ipanema vai receber feira de adoção de animais

Ação será realizada no sábado (18), na Praça Nossa Senhora da Paz, Zona Sul da cidade

Por Luiza Maia Atualizado em 17 set 2021, 10h42 - Publicado em 16 set 2021, 13h41

Que tal ganhar um amigo para a vida toda? Veja essa oportunidade: a Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, recebe neste sábado (18), um evento de adoção pet, das 13h às 17h.

Após mais de cem adoções realizadas em feiras em Bangu, na Zona Oeste da cidade, a RJPET, vinculada à Secretaria Estadual de Agricultura, promove sua primeira ação na Zona Sul.

Segundo o secretário Marcelo Queiroz, novos eventos devem ser realizados mensalmente em diferentes bairros da cidade.

“Nosso principal objetivo é incentivar cada vez mais a adoção de animais que estão em projetos independentes, ONGs e até mesmo aqueles abandonados nas ruas. Acreditamos que as campanhas despertam nas pessoas a consciência e o desejo de cuidar de um animal de estimação”, afirma o secretário.

+ Tem até para cachorro: sorveteria à moda italiana abre duas lojas no Rio

Continua após a publicidade
Foto mostra gatinho com roupa listrada vermelha e preta
Adoção pet: animais estão abrigados em ONGs independentes e na Fazenda Modelo da prefeitura ./Divulgação

Os interessados devem apresentar o documento de identidade, CPF e comprovante de residência, além de passar por uma entrevista e assinar um termo de responsabilidade.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Adote um Amigo

No fim de agosto, a Prefeitura do Rio disponibilizou um canal virtual para os cariocas que desejam adotar um pet. Os interessados podem ligar ou enviar uma mensagem por WhatsApp para a Central de Adoção, pelo número (21) 3460-1746.

Todos os animais foram vacinados, vermifugados e castrados. Além disso, os bichinhos são identificados por microchip, um dispositivo implantado que facilita o registro dos pets.

Cerca de 950 animais estão hoje abrigados na Fazenda Modelo da prefeitura, em Guaratiba, na Zona Oeste. A maior parte dos resgatados foi vítima de maus tratos, violência e abandono.

Continua após a publicidade
Publicidade