Clique e assine com até 65% de desconto

Intervenção Federal no Rio soma 1,9 milhão de tuítes, aponta FGV

O levantamento analisou a participação de 377.945 perfis entre os dias 20 de fevereiro e 1º de julho deste ano

Por Redação VEJA RIO 25 jul 2018, 17h13

Uma pesquisa da FGV DAPP revelou que a intervenção federal do Rio somou 1.930.510 tuítes, 1.349.052 retuítes e teve a participação de 377.945 perfis entre os dias 20 de fevereiro e 1º de julho deste ano. Os maiores volumes de menções ocorreram durante as três primeiras semanas com 626,5 mil, 444,9 mil e 384,2 mil publicações. A morte da vereadora Marielle Franco catalisou comentários entre 13 e 20 de março. Os demais períodos variaram em patamares inferiores a 100 mil menções. Do total de comentários, 43,1% foram favoráveis à intervenção e 36,3%, contrários.

FGV/Divulgação

A linha vermelha do gráfico (36,29%), representa o discurso da esquerda e os atores relevantes deste campo na política e em setores da sociedade civil. Os perfis favoráveis à iniciativa do governo federal, em vez de unificados a partir de um único núcleo, dividiram-se em dois subgrupos com número parecido de engajamentos. O maior (em laranja) reuniu 23,42% dos perfis; o menor, em azul, 19,68%. Ambos declaram endosso ao aumento de ações de policiamento ostensivo, expressam oposição à “política de direitos humanos”, conforme mobilizada por atores à esquerda, e veem as instituições de segurança – forças policiais e militares – com olhar positivo em relação aos valores que projetam e incorporam institucionalmente.

No grupo em azul, o debate adquire contorno mais político e vinculado à figura do Exército, com generais e atores importantes de setores militares exercendo muito impacto nas discussões, para além de políticos com forte atuação em agendas de segurança pública.

Por fim, em rosa, com 13,49% dos perfis, a discussão sobre a intervenção federal adquire contorno mais irônico, modulado por piadas direcionadas principalmente a figuras dos governos federal e estadual, mas também às Forças Armadas e a políticos de ambos os polos.

Continua após a publicidade
Publicidade