Continua após publicidade

Forte de Copacabana será concedido à iniciativa privada? Entenda

BNDES fará um diagnóstico da área, avaliando a necessidade de reformas e, em seguida, definirá o modelo de concessão que valorize o espaço

Por Da Redação
Atualizado em 10 jul 2024, 12h19 - Publicado em 10 jul 2024, 11h53

Firmado nesta terça (9) pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Exército Brasileiro, o contrato para estruturação e modelagem de projetos de valorização e exploração econômica do Museu Histórico do Exército e Forte de Copacabana – ou seja, em outras palavras, a concessão das atrações à iniciativa privada está causando rebuliço na cidade.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Participaram da assinatura o diretor de planejamento e relacionamento institucional do BNDES, Nelson Barbosa, e o chefe do Estado Maior do Exército, general Richard Fernandez Nunes.

O contrato tem duração de 36 meses e, a partir de agora, o BNDES fará um diagnóstico dos ativos imobiliários de propriedade do Exército, avaliando a necessidade de reformas e, em seguida, definirá o modelo de concessão a ser adotado que melhor contribua para a valorização do empreendimento para futura licitação pública.

+ Quanto custa se hospedar na penthouse do Copacabana Palace, a melhor suíte da América do Sul

“Tanto o Forte de Copacabana quanto o Zoo do CIGS, em Manaus [que também está no projeto], são patrimônios nacionais, e teremos a oportunidade de torná-los ainda mais atrativos para turistas e moradores aproveitarem todo o seu potencial”, explicou Nelson Barbosa.

Continua após a publicidade

O projeto de concessão, via parceria público-privada, fará parte do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

+ Reffetorio Gastromotiva abre vagas para voluntariado

Ouvido pelo jornal O Globo, o presidente da Riotur, Patrick Corrêa, vê a concessão com ‘bons olhos’. “O projeto vai consolidar Copacabana como o principal destino de turistas na cidade”, avaliou.

Já o presidente da Sociedade Amigos de Copacabana, Horácio Magalhães, diz que a notícia ‘acendeu o sinal amarelo’. “Novas iniciativas, como a concessão, são interessantes, desde que não maculem o tombamento do forte. Queremos que seja preservada a sua memória, artística, arquitetônica e cultural”, afirmou à publicação.

Compartilhe essa matéria via:

O Forte de Copacabana é um dos principais pontos turísticos da cidade, recebendo cerca de 35 000 pessoas por mês. O museu tem um acervo variado de 15 000 peças, além de indumentárias, armamentos e objetos de uso pessoal históricos.

+ Como operava quadrilha que hackeava Banco do Brasil para cometer crimes

Também funcionam por lá uma unidade da tradicional Confeitaria Colombo e o Café 18 do Forte. Nos fins de semana, principalmente, moradores e turistas fazem fila para desfrutar de café da manhã ao ar livre, com vista para o mar de Copacabana.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.