Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Feira de São Cristóvão pode ser tombada como patrimônio imaterial do Rio

Proposta foi aprovada em segunda discussão pela Câmara de Vereadores e segue para sanção ou veto do prefeito Eduardo Paes

Por Luiza Maia Atualizado em 12 ago 2021, 13h19 - Publicado em 12 ago 2021, 13h15

O tradicional Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, conhecido popularmente como Feira de São Cristóvão, pode ser reconhecido como patrimônio imaterial carioca. O projeto de lei que aprova o tombamento do pavilhão foi aprovado em segunda discussão na quarta (11) pela Câmara do Rio.

+ Incentivo à vacinação: Trem do Corcovado dará desconto a imunizados

A proposta segue para sanção ou veto do prefeito Eduardo Paes. Segundo o vereador Vitor Hugo (MDB), um dos autores do texto, a Prefeitura do Rio estuda uma parceria público-privada para recuperação do patrimônio, que sofreu com o impacto na pandemia.

+ Agora vai? Câmara do Rio vai votar possível reabertura do Canecão

Os feirantes estão passando uma dificuldade muito grande e esse passo pode ser muito importante para tentar alavancar o espaço. Não podemos deixar a feira morrer”, declarou o parlamentar na votação.

Famosa entre os cariocas e os turistas por celebrar os ritmos, a culinária e artesanatos típicos do Nordeste, a feira possui 76 anos de história.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Os primeiros encontros datam de 1945 e ocorriam no Campo de São Cristóvão, realizados por migrantes nordestinos que chegavam à cidade. Em 2003, a feira passou a ocupar o atual pavilhão, após uma reforma pela prefeitura.

Continua após a publicidade

Publicidade