Continua após publicidade

Executiva carioca auxilia pessoas com transtornos psiquiátricos

Dyene Galantini ministra workshops para a reinserção no mercado de trabalho, com o preparo de currículos, técnicas de entrevista e mentoria

Por Heloiza Gomes
Atualizado em 16 fev 2018, 10h38 - Publicado em 16 fev 2018, 10h38

Há dez anos, a executiva Dyene Galantini se viu às voltas com uma depressão que a impedia até de trabalhar. Ao procurar um médico, passou a tomar antidepressivos e ganhou uma euforia acima do normal. Por fim, um psiquiatra lhe deu o diagnóstico certeiro: transtorno bipolar, cujo principal sintoma é a oscilação de humor. “Foi muito difícil, cheguei a ficar hospitalizada por doze dias e levei cerca de um ano para aceitar a doença. Precisei de dois anos para conseguir me estabilizar”, recorda a diretora adjunta de marketing para a América Latina da empresa de inteligência IHS Markit.

Mesmo após o tratamento, Dyene manteve a doença em segredo. Até que, no início do ano passado, começou a trabalhar como voluntária no Centro Psiquiátrico do Rio de Janeiro. “Uso meus recursos para ajudar nas oficinas de geração de renda, como costura e arte, e vou às empresas para tentar arrumar vagas para pessoas com transtornos mentais”, detalha. “Sou um caso de inclusão, e sei quanto valorizo o meu trabalho, quanto sou comprometida. Uma vez estabilizado, o transtorno mental não limita o indivíduo, que pode ser tão produtivo como qualquer outra pessoa”, diz a executiva, que em seguida deu início ao projeto Vencendo a Mente, cujo primeiro passo foi o lançamento de um livro no qual Dyene conta a sua experiência.

Membro de organizações internacionais como Mental Health Innovation Network e Movement for Global Mental Health, a escritora ainda realiza palestras gratuitas sobre o tema, ministra workshops para a reinserção no mercado de trabalho, com o preparo de currículos, técnicas de entrevista e mentoria, e oferece grupo de apoio virtual através do site https://www.vencendoamente.com.br. “O meu objetivo é combater o estigma em relação à doença mental e mostrar que o paciente pode ter uma vida digna”, finaliza a executiva, premiada como voluntária do ano pela Depression and Bipolar Support Alliance, em Houston, nos Estados Unidos.

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.