Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Ex-presidente do Comitê Olímpico Europeu vai enfrentar as acusações de cambismo

O irlandês estava preso até o mês passado no presídio de Bangu e precisa permanecer na cidade até o julgamento final do caso

Por Redação VEJA RIO Atualizado em 5 dez 2016, 11h05 - Publicado em 12 set 2016, 19h56

Ex-presidente do Comitê Olímpico Europeu Patrick Hickey relatou que irá responder por todas as acusações de ter participado de uma quadrilha de venda ilegal de ingressos durante a Rio 2016.  O irlandês estava preso até o mês passado no presídio de Bangu e precisa permanecer na cidade até o julgamento final do caso. 

+ VEJA RIO seleciona 10 momentos memoráveis da Paralimpíada 

Hickey, que foi preso em  um  luxuoso hotel no dia dez de agosto, declarou se inocente. A polícia acusa o homem de operar a quadrilha dentro da empresa PRO10 Sports Management, sediada em Dublin, para canalizar entradas destinadas ao comitê irlandês, e não autorizadas para revenda, para a empresa internacional de hospitalidade em eventos esportivos THG Sports. Todos os envolvidos no caso negam as acusações.

A polícia do Rio sugere que a quadrilha tenha realizado golpes semelhantes na Olimpíada de Inverno de Sochi, em 2014 e nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. 

Continua após a publicidade
Publicidade