Clique e assine por apenas 7,90/mês

Estado do Rio promete pagar salário de grevistas

Além dos agentes penitenciários, serão beneficiados outros servidores, como policiais e bombeiros

Por Agência Estado - 18 jan 2017, 13h11

Em meio a uma paralisação de agentes penitenciários, iniciada na madrugada de segunda para terça-feira, o governo do Estado do Rio anunciou que pagará nesta quarta (18), até as 13 horas, os salários de dezembro dos servidores ativos e inativos da área de segurança pública. Além dos agentes penitenciários, serão beneficiados servidores das polícias Militar e Civil, do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil e da Secretaria de Segurança.

Segundo a Secretaria da Fazenda, o valor total a ser depositado será de R$ 623 milhões. A secretaria alertou que alguns depósitos “poderão ocorrer após o fim do expediente bancário” desta quarta-feira.

Nesta terça-feira, 17, foi encerrado o pagamento dos vencimentos de novembro. Desde o início dos atrasos de salários, o Estado do Rio passou a data de pagamento para o décimo dia útil do mês seguinte. Portanto, o salário de dezembro deveria ter sido pago até a última sexta-feira, dia 13.

Ainda assim, só receberam na data os funcionários ativos da área de educação e do Degase, órgão que cuida de crianças e adolescentes infratores. Para isso, o governo usou recursos do Fundeb, fundo formado pela União para repassar valores para Estados e municípios.

Continua após a publicidade

O atraso de salário vinha servindo de combustível para paralisações. Para esta quarta, às 18 horas, está marcada uma reunião de bombeiros em que serão decidas medidas para pressionar o governo. Estão na mesa medidas alternativas à greve, inconstitucional para militares, como o aquartelamento – quando os militares se mantêm dentro dos quartéis, sem rodízio.

“O pagamento do salário de dezembro não resolve a vida dos bombeiros, porque há dívidas acumuladas desde o ano passado”, diz o subtenente Mesac Eflaim, presidente da Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Rio de Janeiro (Abmerj). Segundo ele, policiais militares também devem participar da reunião desta quarta.

Publicidade