Continua após publicidade

Empresária leva golpe de entregador e encontra produtos à venda no Enjoei

Sócia da grife Wasabi, Daniela Sabbag teve produtos exclusivos enviados pela Lalamove que nunca chegaram ao destino e que agora estão em loja virtual

Por Redação VEJA RIO Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
27 Maio 2024, 17h33

A grife carioca Wasabi levou um golpe ao utilizar a plataforma de entregas Lalamove: a mercadoria enviada de uma loja para outra da marca jamais chegou ao destino, e depois foi parar no Enjoei, site de venda de produtos usados. Em vídeo publicado no instagram da grife, a empresária e estilista Daniela Sabbag conta que as tentativas de contato com as duas companhias não deram em nada.

View this post on Instagram

A post shared by Wasabi (@usewasabi)

As roupas deveriam ter sido enviadas da loja Fashion Mall para a do Shopping Leblon, que venderia os produtos com exclusividade. Por isso, explica Sabbag, é que foi possível indentificá-los, já que nenhum outro lugar possui os itens.

+ Como funciona ‘taxa do crime’ para carros de aplicativo na Zona Norte

Continua após a publicidade

Conforme a entrega não chegava no destino, a equipe da Wasabi telefonou para o motorista e descobriu que o telefone registrado não era dele. O contato com a Lalamove foi feito apenas pela internet, já que não é divulgado outro meio disponível, e a empresa pediu para que aguardassem por 48 horas pela resolução do caso.

Quando entraram em contato, disseram que nada poderiam fazer e que havia um seguro de 400 reais a ser pleiteado. Daniela Sabbag afirma que prejuízo foi de 80 mil reais em mercadoria. Agora, ela busca que tanto a Lalamove como a Enjoei sejam responsabilizadas.

Compartilhe essa matéria via:

“As coisas têm que ser mais bem reguladas. Se você, como empresa, cadastrou uma pessoa para trabalhar com você, e a gente está confiando nesse cadastro que você faz, você é responsável“, afirma a empresária sobre a Lalamove.

“E a mesma coisa a Enjoei. A gente conta com o serviço da Enjoei, mas ela tem, de alguma forma, (que) ter critérios. E o critério, pelo visto, é nenhum. Como é que de uma hora para outras conseguem viabilizar e comercializar mercadoria roubada?”, continua.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.