Clique e assine por apenas 7,90/mês

Empresária é espancada em frente ao seu prédio em Ipanema

Segundo Renata Cordeiro Guerra, de 42 anos, não houve furto nem roubo, apenas agressão "gratuita"

Por Redação VEJA RIO - Atualizado em 5 dez 2016, 10h59 - Publicado em 20 out 2016, 13h42

Não foi furto, nem roubo. A empresária Renata Cordeiro Guerra, de 42 anos, denunciou, nesta quarta (19), em suas redes sociais, uma agressão “gratuita” que sofreu na porta do prédio onde mora, na Rua Joaquim Nabuco, em Ipanema. As fotos na internet mostram Renata com o rosto repleto de hematomas e inchado. Segundo ela, três homens a atacaram e, todos rindo, fugiram quando o porteiro apareceu.

+ Mãe faz anúncio na internet oferecendo a mão do filho em casamento e post viraliza

“Não levaram celular nem bolsa, só me agrediram e foram embora. Eu estava na porta do meu prédio esperando para entrar. Cuidado, principalmente as meninas. Os caras ainda sairam rindo da situação. Foram embora porque o porteiro apareceu. Cuidem-se por favor”, escreveu na web em tom de alerta. A Polícia Civil informou, no entanto, que não houve comunicação formal da vítima na delegacia, o que é necessário em se tratando de crime de lesão corporal.

+ Leia mais notícias sobre cidade

A empresária é fundadora da ONG Felipe Cordeiro Guerra Nigri, criada depois que seu filho morreu, em abril de 2014, aos 13 anos, por causa de um câncer no cérebro. Ela trabalha por melhores tratamentos para crianças, sobretudo com a doença. Nas últimas eleições, foi candidata a vereadora pelo Partido Novo (PN) e obteve 16 mil votos, mas não foi eleita. 

Publicidade