Clique e assine por apenas 4,90/mês

Empresa suspeita de pagar propina ganha contrato com a prefeitura

A Masan Serviços Especializados, suspeita de pagar propina a Sérgio Cabral, receberá cerca de R$30 milhões para prestar serviços a creches do Rio

Por Redação VEJA RIO - Atualizado em 27 dez 2017, 12h56 - Publicado em 27 dez 2017, 12h20

No último dia 18 de dezembro a Masan Serviços Especializados, acusada pela Procuradoria Geral da república de se beneficiar de propinas pagas ao ex-governador Sérgio Cabral, ganhou a licitação para prestar serviço às creches municipais do Rio.  Solto no mesmo dia pelo Supremo Tribunal Federal, o empresário Marco Antônio de Luca, ex-sócio da empresa, que receberá R$29,2 milhões, teria sido o responsável por entregar o dinheiro a Cabral.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, a empresa está livre de suspeitas para atuar em qualquer certame. A Masan disse, em nota, que não está impedida de participar de nenhum processo licitatório para órgãos públicos. Quem está sob investigação é Marco Antônio de Luca, e não a empresa”.

Ainda não há decisão judicial que impeça a Masan de de disputar contratos públicos, mas a empresa e de Luca são investigados pela Lava Jato no Rio.

Publicidade