Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Eduardo Paes se diz “arrependido” de falas em conversa com Lula

Ele também se desculpou com a população de Maricá, alvo de piadas na conversa interceptada pela Polícia Federal

Por Redação VEJA RIO Atualizado em 5 dez 2016, 11h25 - Publicado em 17 mar 2016, 14h27

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), classificou suas declarações em diálogo gravado pela Polícia Federal na Operação Lava Jato como comentários de extremo mau gosto, que geraram arrependimento e vergonha. Ele minimizou o trecho em que sugeriu um limite para a atuação dos investigadores e negou que tenha informações sobre a titularidade do sítio em Atibaia, usado pela família do ex-presidente.

+ Internado, Pezão desmente boatos de morte

“Quero dar esclarecimentos, satisfação e contextualizar aquela conversa. Eu tentei ser gentil com o ex-presidente que ajudou muito a cidade e meu governo, e que agora passa por um momento difícil”, disse.

Paes alegou que em uma ligação cordial, as pessoas falam gentilezas. “Eu sou carioca em excesso, o terror dos assessores, falo muito em on e em off. Foram brincadeiras de mau gosto com Pezão e Dilma”, afirmou. Ele também se desculpou com a população de Maricá, alvo de piadas na conversa interceptada pela PF.

A respeito do comentário de que seria preciso “dar um limite” ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal, o prefeito procurou contextualizar a conversa com os dias que seguiram ao depoimento prestado por Lula na Lava Jato. “Eu me referia à condução coercitiva. Considerei que houve certo exagero e está foi uma crítica de boa parte da população”, justificou.

A respeito do sítio, Paes declarou não saber de nada e acrescentou que cabe ao ex-presidente dar explicações. “Eu respondo pelos atos na vida política”, afirmou.

Continua após a publicidade
Publicidade