Clique e assine por apenas 4,90/mês

Economista dá consultoria financeira gratuita a jovens aprendizes

Daniel Fux faz palestras sobre finança pessoal, consumo consciente e carreira

Por Heloiza Gomes - Atualizado em 29 Maio 2017, 15h21 - Publicado em 27 Maio 2017, 00h02
Daniel Fux fazendo palestra para os Jovens Aprendizes da João Fortes Engenharia, Barra da Tijuca Selmy Yassuda/Veja Rio

O pontapé inicial coube ao seu antigo chefe, o economista Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central. Dono da Gávea Investimentos, ele incentivava os funcionários a usar os conhecimentos profissionais em atividades comunitárias e sem fins lucrativos. Por coincidência, uma cliente da empresa, onde Daniel Fux trabalhou de 2008 a 2014, comentou com ele sobre o Programa Jovem Aprendiz, voltado para estudantes de 14 a 24 anos em busca de um estágio para dar os primeiros passos no mercado de trabalho. “O projeto é uma grande oportunidade para eles conhecerem de perto o mundo corporativo. O problema é que, como esses jovens são obrigados a abrir uma conta no banco para receber o salário, acabam ganhando um cartão de crédito. Com isso, a grande maioria termina com uma dívida impagável e com o nome negativado”, revela Fux, que desde 2009 faz palestras sobre finança pessoal, consumo consciente e carreira nas empresas envolvidas no programa.

O objetivo da iniciativa de Fux, hoje proprietário da Skuf Finanças Pessoais, é incentivar esses jovens, muitos de comunidades carentes, a abrir e manter uma poupança para que, no futuro, tenham condições de investir em algum projeto profissional com o próprio dinheiro. “Também tento ajudá-los a deixar de lado o discurso da vitimização, porque alguns acham que não conseguirão vencer nunca na vida em razão de sua condição social”, revela. Nesse sentido, durante suas palestras, Fux dá exemplos de pessoas que tinham grandes dificuldades financeiras e conseguiram prosperar. No encontro, o consultor também lança um desafio: a garotada precisa guardar 30% de cada salário por seis meses. Quem conseguir ganhará um almoço, que será pago pelo administrador no restaurante que o aprendiz escolher. Nesses oito anos, nenhum deles atingiu a meta, mas Fux não esmorece. “Esse projeto significa muito para mim. Como os jovens vão mudando, já voltei à mesma empresa várias vezes”, conta o consultor.

Publicidade