Continua após publicidade

“A tendência é piorar”, diz secretário de saúde sobre epidemia de dengue

Autoridades alertam sobre a maior incidência do vírus nos meses de abril e maio

Por Redação
8 fev 2024, 13h19

Apenas em janeiro e neste pré-carnaval, o Rio já registrou quase a metade de casos de dengue ocorridos em 2023, e as autoridades da saúde afirmam que a tendência é piorar. Há seis mortes suspeitas no município, e 21 no estado, e os meses de maior incidência do vírus são abril e maio, segundo o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

+ Moradora que impediu entregador de usar elevador é denunciada por injúria

A primeira morte do ano foi a de um homem de 45 anos, morador do Complexo da Maré, na Zona Norte, internado com quadro grave de desidratação. Além dessa, cinco mortes supostamente causadas por dengue foram alvo de investigação pela Secretaria municipal de Saúde (SMS). Independentemente do resultado das investigações sobre todos os 21 óbitos que causam suspeita no estado, o prognóstico é que a situação que decretou estado de emergência tende a piorar.

Compartilhe essa matéria via:

O sistema Monitora RJ, do governo do estado, registrou até a última segunda-feira 25.136 casos prováveis de dengue no estado. Isso significa que, em pouco mais de um mês, as cidades fluminenses já acumulam quase a metade dos 51.494 casos de todo o ano passado. De acordo com o mesmo sistema, foram 939 internações por causa da doença. Já na contagem apresentada pela prefeitura do Rio, são 14.906 casos na cidade em 2024, até agora, contra um total de 22.866, em 2023, e apenas 4.666 em 2022.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

As regiões com maior incidência de casos na capital são as zonas Oeste e Norte, além do Centro. De acordo com Daniel Soranz, foi observado ainda um aumento no número de diagnósticos em bairros atingidos pelas enchentes causadas pelas chuvas de janeiro, como Acari, Jardim América e Fazenda Botafogo. A busca por unidades de saúde aumentou, por pessoas que chegam com sintomas característicos como febre alta e dores no corpo, cabeça e barriga.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.