Clique e assine por apenas 4,90/mês

Defesa de mulher de Cabral pede confirmação de prisão domiciliar

Adriana Ancelmo está presa preventivamente no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu

Por Agência Estado - 27 mar 2017, 12h52

A defesa da mulher do ex-governador fluminense Sérgio Cabral , Adriana Ancelmo, vai apresentar petição nesta segunda (27), ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, para garantir o cumprimento de decisão da ministra Maria Thereza de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que na última sexta (24), concedeu o benefício da prisão domiciliar à ex-primeira dama do Rio. “Caberá ao juiz Bretas decidir”, afirmou o advogado de Adriana, Alexandre Lopes de Oliveira.

Adriana Ancelmo está presa preventivamente no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste, desde dezembro do ano passado. Ela é acusada de participar do esquema de corrupção liderado pelo marido Sérgio Cabral.

O juiz Bretas chegou a conceder o benefício de prisão domiciliar à Adriana, no dia 17 deste mês, com o argumento de que os dois filhos do casal, de 10 e 14 anos, não poderiam ser privados do convívio simultâneo do pai e da mãe, já que os dois estão presos em Bangu. Hoje, eles estão sob o cuidado do irmão mais velho, o deputado federal Marco Antônio Cabral (PMDB), filho de Sérgio Cabral com Susana Neves, sua primeira mulher.

Bretas exigiu, então, o cumprimento de pré-requisitos: que, em casa, Adriana não tivesse acesso a linha telefônica e internet. O apartamento da ex-primeira dama chegou a ser vistoriado, mas ela não foi liberada. O desembargador federal Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal, da 2ª Região (Rio e Espírito Santo) suspendeu a liminar no último dia 20, porque, em sua opinião, o benefício da prisão domiciliar “criaria expectativas vãs para a própria acusada, que poderia vir a ser presa novamente, e para outras mulheres presas preventivamente, que não conseguem o mesmo direito”, como afirmou em sua decisão.

Continua após a publicidade

Com a nova decisão, da ministra do STJ, a defesa de Adriana voltará a recorrer ao juiz Bretas, que decidirá se vai acatar a nova liminar e, se acatar, pode pedir nova vistoria no apartamento da família Cabral, no Leblon, na Zona Sul.

Publicidade