Continua após publicidade

Saiba como emitir a carteira de identificação de pessoa com autismo

Iniciativa da prefeitura, documento garante direitos especiais a pacientes com suspeita ou diagnóstico do transtorno

Por Da Redação
23 out 2023, 14h48

Pessoas com suspeita ou diagnóstico de transtorno do espectro autista (TEA) que moram no município do Rio já podem contar com um documento que pode abrir portas. A prefeitura do Rio começou a emitir a Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea), através do portal na internet minhasaude.rio. Com ela, é possível garantir acesso a direitos especiais, como prioridade no atendimento e no acesso aos serviços públicos e privados, em especial nas áreas de saúde, educação e assistência social. O serviço estará disponível no aplicativo em breve.

+ Como funcionava esquema de policiais civis com o tráfico de drogas no Rio

Segundo o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, a carteirinha é uma medida importante para assegurar a inclusão e o acolhimento de pessoas com transtorno do espectro autista. “Ela facilita a comprovação do diagnóstico e contribui para sensibilizar e mobilizar a sociedade em torno de um tema urgente, atendendo a uma demanda histórica das pessoas com autismo e de seus amigos e familiares”, diz ele.

O transtorno do espectro autista é um distúrbio no desenvolvimento neurológico que prejudica a organização de pensamentos, sentimentos e emoções, tendo como possíveis sintomas a dificuldade de comunicação e problemas de socialização. No mundo, estima-se que uma a cada 36 crianças tenha o transtorno. Em geral, os primeiros sinais surgem entre os 2 e 3 anos de idade, e o diagnóstico é feito por meio de uma avaliação multidisciplinar.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Para obter a Ciptea, o paciente ou seu representante legal deve fazer o cadastro no site minhasaude.rio, preencher o formulário on-line, anexar uma foto 3×4 e cópias digitais (arquivo escaneado ou fotografado) do RG, além de comprovante de residência. Os pacientes com suspeita de TEA, ainda em fase de confirmação diagnóstica devem anexar cópia de relatório ou declaração médica com indicação do possível diagnóstico. Se houver diagnóstico, é preciso anexar o laudo específico para TEA (CID 10 F 84), emitido por médico da rede pública ou privada. Estando tudo certo, em 15 dias a carteira fica disponível nas versões digital e física – basta imprimir o arquivo. Os pacientes com suspeita de TEA terão uma carteira provisória, com validade de um ano. No outro caso, a validade é de cinco anos, devendo ser renovada após esse período.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.