Clique e assine por apenas 4,90/mês

Coletes do Amor vestem personagens históricos no Rio

Ação chama atenção para a violência adereçando esculturas na cidade

Por Redação VEJA RIO - 22 ago 2017, 20h04

Estátuas da Zona Sul à Zona Norte da cidade amanhecerem hoje (22) com um look diferente: o “Colete do Amor”. A peça representa um movimento contra a violência urbana que vestiu, ao todo, 28 monumentos espalhados pelo Rio, entre eles, as famosa esculturas de Carlos Drummond de Andrade, em Copacabana, e Manuel Bandeira, no Centro.

Os coletes de papelão têm escrito em vermelho a hashtag #coletedoamor e o endereço do site do movimento, que indica o download de aplicativos sobre pontos de violência como “onde fui roubado” e “onde tem tiroreio”. No espaço, fica também convite para vítimas da violência deixarem recados de amor como forma de um exercício de superação. As peças foram criadas pela Agência Somar, da ex-atleta bicampeã mundial de vôlei, Carolina Aragão. 

Publicidade