Clique e assine por apenas 4,90/mês

Ciclovia que liga Cosme Velho ao Largo do Machado será concluída em breve

Histórias e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por Lula Branco Martins - Atualizado em 2 jun 2017, 12h25 - Publicado em 3 out 2015, 01h00

Mais ciclovias pintando

Este símbolo das bikes indo e vindo (à direita) torna-se, a cada dia, mais familiar ao carioca, que se orgulha de morar na cidade dona da mais extensa malha cicloviária do Brasil ­— 400 quilômetros, com previsão de atingir 450 antes do início dos Jogos Olímpicos de 2016. Um trecho perto de ser concluído é o que ligará o bairro do Cosme Velho ao Largo do Machado (confira abaixo). A previsão é que esteja pronto em dois meses. Ele já aparece no PortalGeo, do Instituto Pereira Passos, no mapa digital lançado com o apoio da Secretaria de Meio Ambiente, gestora do programa Rio, Capital da Bicicleta. Por enquanto, na página do IPP, suas linhas são amarelas (o que significa “em construção”). A torcida é que, quanto antes, o trecho fique marcado em vermelho, isto é,  seja “implantado”.

Infografico
Infografico

Uma ajudinha para a meditação

Bankin - banco para meditação
Bankin – banco para meditação

Professora de ioga na Arca Urbana, em Botafogo, Shakti Leal sempre notou a dificuldade dos alunos em se posicionar corretamente quando se sentam para a meditação. Até que um deles, o designer Nicolas Gomez, propôs uma parceria, e os dois desenvolveram o Bankin. O protótipo ficou pronto em julho, e agora a ideia é vender o produto aos cariocas. Feito de compensado de sumaúma, ele tem por objetivo ajudar a manter a espinha ereta durante as posturas, gerando o mesmo efeito de um pé que empurra a base das costas (como na foto ao lado). Pode ser usado também na praia ou para refeições em mesas de centro baixas. A dupla busca novos sócios e para isso criou a página www.benfeitoria/bankin.

Bankin
Bankin

Fantasia e ação entre nós

Continua após a publicidade

Super-heróis que usam seus poderes na luta do bem contra o mal ao percorrer ruas do Andaraí, do Centro e também nossas praias. Esse é o universo do publicitário Paulo Sora, que acaba de finalizar Mutumanos, com 340 páginas, que sai em dezembro pelo Clube dos Autores e custa 35 reais na versão impressa e 12 reais no formato e-book. O título vem da junção de “mutu” (que alude a “mutação” e a “muitos”) com o termo “humanos”, e trata-se da invenção de um dos personagens da história, cujo protagonista é um jovem universitário, morador do Rio, que descobre ter habilidades especiais. A trama é contada por meio de uma estética que mistura HQ e romances clássicos.

Infografico-2
Infografico-2

10 filtros

Essa é a quantidade que será doada, na semana que vem, aos moradores da Favela do Borel, na Tijuca, como parte do projeto social Correntes do Bem. Eles beneficiarão cerca de 1 000 pessoas, na parceria da Mercatto com a ONG americana Waves for Water. O objetivo é dar aos habitantes da comunidade acesso a água potável, purificando o líquido. O sistema, muito simples, junta baldes a membranas de microfibra e mangueiras e intercepta também microrganismos que provocam doenças como cólera e botulismo.

Tudo azul em ipanema

Esse aí de costas é Bruno BR, artista urbano, morador da Gávea, e o muro que estava grafitando é o do Zazá Bistrô, em Ipanema, parede com 5 metros de base por 3 de altura. Aberto em 1999, o restaurante mantém a tradição de, todo ano, repintar sua fachada. Toz, Gais e Gisele Sandy são três grafiteiros que já deixaram marcas ali. A mais recente decoração era justamente obra de Gisele, que usou o azul como o traço mais forte, cor mantida por Bruno ao unir os Arcos da Lapa às curvas de Copacabana.

Bruno Br
Bruno Br
Continua após a publicidade
Publicidade