Continua após publicidade

Caso do brigadeirão: mãe de suspeita diz que filha foi induzida por cigana

Carla Cathermol contou à polícia que Júlia, com medo de "poderes mágicos" entregou os bens do empresário Luiz Marcelo Ormond a Suyany Breschak

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 14h00 - Publicado em 5 jun 2024, 14h00

Presa suspeita de matar o namorado com um brigadeirão envenenado, Júlia Andrade Pimenta Cathermol ficou em silêncio ao se entregar à polícia nesta terça (4). Ela estava foragida desde o dia 28 de maio.

+ Com o fenômeno La Niña, ressacas no mar devem aumentar

A mãe dela, Carla Cathermol, no entanto, declarou à polícia que a filha lhe disse que “fez uma besteira obrigada por Suyany Breschak”, a mulher que se apresenta como cigana e afirma ter R$ 600 mil a receber de Júlia por “trabalhos espirituais de limpeza”. Suyany também está presa.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Segundo Carla, ela e o marido, Marino Bastos Leandro, estiveram na casa de Júlia no dia 27 de maio e perceberam que a filha estava bastante aflita e abatida, mas que jamais disse que havia matado alguém. A única coisa que ela repetia era “fiz uma besteira obrigada pela cigana.”A mãe, então, decidiu levá-la para Maricá, onde mora. Dias depois, Júlia resolveu se esconder em outro lugar.

+ Prefeitura avança com o calendário da vacina XBB, contra a covid

Carla também disse à polícia que Júlia, com medo de “poderes mágicos” entregou os bens do empresário Luiz Marcelo Ormond a Suyany.

Continua após a publicidade

Em seu depoimento, o padrasto de Julia, Marino Bastos Leandro, também disse que a suspeita contou para a família que foi induzida por uma “feiticeira” a fazer uma besteira. E que ela teria feito a tal besteira, pois a mulher afirmou que mataria, por meio de um feitiço, a família toda.

Compartilhe essa matéria via:

Hortência Menezes, advogada de Julia, divulgou uma nota em que pede “um olhar mais apurado” na “questão da religiosidade”. “Uma das partes envolvidas é uma orientadora e conselheira espiritual de uma determinada denominação religiosa. Precisamos entender como foram os 11 anos existentes dessa relação, de aconselhamento e de orientação ‘religiosa’ existente com minha cliente, fundamentada na monetização financeira e no medo. Esperamos também encontrar respostas nas provas técnicas que serão produzidas com a quebra dos dados telemáticos, telefônicos e do sigilo bancário dos envolvidos, inclusive da vítima”, emendou.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.