Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Rio: seguranças do Carrefour espancaram e violentaram mulher negra

Caso aconteceu em 2017, no Norte Shopping; defensor público conta que violência foi tanta que a vítima compareceu à audiência de fralda e cadeira de rodas

Por Cleo Guimarães Atualizado em 25 nov 2020, 18h39 - Publicado em 24 nov 2020, 17h42

Espancado até a morte por seguranças brancos do Carrefour de Porto Alegre na última quinta (19), João Alberto Freitas, cliente negro do supermercado, está longe de ser um caso isolado entre as filiais de todo o país. O rol de vítimas recentes de agressão por parte de seus funcionários inclui uma mulher negra, lésbica e dependente química que teria furtado bolinhos de bacalhau e asas de frango congeladas na unidade do Norte Shopping, no Rio. Levada por seguranças para uma salinha, ela foi espancada e violentada sexualmente com um pedaço de madeira que a obrigou a usar fraldas por um longo período. O defensor público Eduardo Newton acompanhou o caso, ocorrido em 2017, e contou a VEJA RIO o que se passou. Por motivos de segurança, a mulher não é identificada pela reportagem.

Rio: Policia Federal descobre esquema de desvio de encomendas dos Correios

“A audiência de custódia com esta presa foi a pior da minha vida, nos meus treze anos como defensor público. Estávamos numa sala em que o ambiente era totalmente masculino, com exceção desta presa e da juíza Cristiana Cordeiro. Eu e o estagiário saímos da sala por alguns momentos e, quando voltamos, estavam a Cristiana (juíza) e a presa, as duas com cara de choro. Ela estava de fralda, numa cadeira de rodas e não conseguia falar o que tinha acontecido. Era uma situação de fragilidade e humilhação. Ela pediu então para que sua companheira fosse ouvida. A juíza autorizou.

Covid-19: Rio atinge 70% de leitos em enfermarias e índice preocupa. Entenda

Foi daí que soubemos que ela foi empalada (violentada) com um cabo de escova de cabelo naquela salinha para onde foi levada. O crime? Informalmente ela fala – digo informalmente porque a audiência de custódia não é para isso – que teria levado asa de frango e bolinho de bacalhau, mas os seguranças listaram muitas coisas na suposta tentativa de furto, o total do que teria sido levado dava quase 900 reais, segundo os funcionários.

Gabriel Monteiro desafia Fabio Porchat: ‘Me processa! Vai passar vergonha’

Ela estava tão machucada, com o corpo tão marcado das pancadas, que chegou na delegacia e o delegado a mandou direto para o hospital, se não me engano era o Salgado Filho, para só depois registrar o flagrante. Isso é muito raro de acontecer, geralmente fazem o flagrante e depois mandam para o IML. Neste processo ela foi absolvida sumariamente, o Ministério Público apelou e ainda está em trâmite.”

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Em nota divulgada depois do caso de João Alberto, o Carrefour declarou que iniciou rigorosa apuração interna sobre sua morte e que “nenhum tipo de violência e intolerância é admissível”.

Continua após a publicidade
Publicidade