Continua após publicidade

Carpinteiro atingindo por estaca vai passar por reconstrução de crânio

Vitor Soares do Nascimento já fala, mexe os membros, lembrando de seu nome e idade

Por Da Redação
11 jul 2024, 14h25

Após uma cirurgia de quatro horas para retirar uma estaca de madeira cravada na testa, o carpinteiro Vitor Soares do Nascimento, que se acidentou nesta quarta (10), já respira sem aparelhos, fala e mexe os membros. Mas, como houve perda óssea no momento da perfuração, em até oito meses Vitor terá de se submeter a uma nova cirurgia para reconstruir o crânio.

+ “É difícil para o policial saber quem é filho de rico”, diz Claudio Castro

“Ele já dá sinais de interação. Ele está fora do tubo, mexe os membros e interage. A gente acha que o tratamento foi eficaz”, disse Thiago Resende, diretor-geral do Hospital Municipalizado Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, em entrevista coletiva nesta quinta (11). “A parte que entrou no cenário foi de 6 cm. Ele deu sorte de não pegar em algumas estreitas do cérebro”, acrescentou. Segundo o diretor, a parte do cérebro de Vitor atingida é responsável pelas emoções, não afetando a fala ou movimentos. Assim que foi extubado, o carpinteiro logo recobrou os sentidos, lembrando o nome e a idade. Ainda não há previsão de alta.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Vitor serrava madeira quando a ripa escapou, resvalou na lâmina e acertou sua testa. Para o diretor-geral, provavelmente o carpinteiro não estava usando capacete ou qualquer outro equipamento de segurança quando aconteceu o acidente, mas teve sorte no socorro: chegou de helicóptero ao hospital, onde a equipe já estava preparada para atendê-lo. A tomografia foi feita rapidamente e logo a operação começou. “Se eles tivessem tirado a estaca, ele não sobreviveria. Quando isso acontece, é importante não retirar”, destacou. “Raspamos parte da cabeça, que estava contaminada com areia e terra, para fazer uma cirurgia com mais segurança. Em seguida, retiramos um pedaço de madeira de 40 centímetros. Mas apenas 6 cm atingiram a cabeça do rapaz”, completou o diretor do hospital.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.