Clique e assine por apenas 7,90/mês

Carioca nota 10: Mestre Ferradura

À frente de organização que prepara e certifica novos professores, mestre de capoeira oferece aulas gratuitas a moradores em situação de rua

Por Fernanda Thedim - Atualizado em 9 mar 2020, 10h10 - Publicado em 6 mar 2020, 12h20

O berimbau é um dos elementos cruciais da capoeira. Ele comanda a roda, dita o ritmo e o estilo de jogo. Ao produzir diferentes texturas de sons, o instrumento guia movimentos precisos de ataque, defesa e esquiva. Para jogar capoeira, é preciso ter desenvoltura e habilidade, sim, mas não é só isso que está em jogo. Misturando elementos de luta, dança e música, a modalidade promove a interação social, melhora a autoestima e evidencia a importância da defesa — e não do ataque. Apostando nesses valores, Omri Breda, mais conhecido como Mestre Ferradura, 44 anos, criou, há dois anos, o projeto Capoeira de Rua, dedicado à população sem teto do Rio. “Pela sua própria natureza, o olho no olho, o contato físico, a integração com o grupo, a relação com a música, com a religiosidade e a cultura negra, a capoeira faz com que essas pessoas se sintam menos invisíveis dentro da nossa sociedade”, diz o mestre, à frente do Instituto Brasileiro de Capoeira-Educação, organização que prepara e certifica novos professores.

As aulas acontecem três vezes por semana, logo após o café da manhã oferecido pelo Projeto Voar. Às segundas, o encontro é no Aterro do Flamengo; às quartas, na Praça São Salvador; e às quintas, na Praça Paris. Por dia, cerca de quinze pessoas costumam frequentar as rodas, e a ideia do Mestre Ferradura é ir muito além da atividade recreativa: “Busco fazer com que os alunos sintam que são capoeiristas e que podem se apropriar disso para buscar novas oportunidades”. Está dando certo. Dois alunos do projeto, ex-­moradores de rua, já conseguiram reestruturar a vida depois que entraram na capoeira. O professor também dá aulas para crianças do Instituto Benjamin Constant e jovens do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) e faz parte do grupo Gingando pela Paz, que desenvolve ações em diversos países, como o Congo e o Haiti. No caso do Capoeira de Rua, mais seis voluntários se revezam no comando das aulas, que acabam de ganhar mais um ponto na cidade, o Museu de Arte Moderna.

Publicidade