Continua após publicidade

Buscas por Édson Davi, que desapareceu em praia, completam duas semanas

Principal hipótese dos investigadores é de que menino de de 6 anos tenha se afogado na Praia da Barra

Por Da Redação
Atualizado em 18 jan 2024, 16h27 - Publicado em 18 jan 2024, 16h26

O desaparecimento do menino Edson Davi Silva de Almeida, de 6 anos, completa duas semanas nesta quinta (17) sem avanço nas investigações. A criança sumiu na Praia da Barra no dia 4 de janeiro. Ainda que a principal hipótese da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) seja de afogamento, os agentes não deixaram de checar outras linhas de investigação. O objetivo é esgotar todas as possibilidades, inclusive a de que ele possa ter sido sequestrado.

+ Vem mais chuva: Inmet alerta para nova frente fria no Rio na sexta (19)

A Polícia Civil ampliou as buscas no mar na semana passada. Um helicóptero da polícia faz parte do reforço. O Corpo de Bombeiros também realiza buscas. A família de Edson Davi – que sumiu enquanto acompanhava o pai, que trabalha como barraqueiro na praia – e o advogado do caso estão em busca de novas informações e acesso às imagens de câmeras analisadas pela polícia.

A polícia já analisou centenas de imagens de pelo menos sete pontos fixos que ficam no entorno do ponto do desaparecimento, o Posto Quatro. Pelos depoimentos recentes e por todas as imagens analisadas, os investigadores não encontraram qualquer indicativo ou prova que o menino tenha saído da areia, nem que tenha sido levado por alguém. Ainda assim, diariamente os policiais recebem informações de que ele tenha sido visto em algum lugar. Mas nenhuma foi comprovada.

Pelas imagens, é possível ver que Edson Davi estava na beira d’água às 15h37 do dia 4 de janeiro – cerca de 1 hora e 30 minutos antes do registro de seu desaparecimento. Segundo testemunhas, um salva-vidas chegou a alertar a criança que ela deveria se afastar da água. Um funcionário da barraca do pai da criança também disse que chegou a alertar Davi que não era para brincar na beira d’água. Segundo ele, o menino tinha o hábito de ir sozinho ao mar.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

A família de argentinos que brincava com o menino na areia pouco antes do desaparecimento foi encontrada e ouvida pela polícia. Eles disseram que deixaram o garoto e voltaram para o hotel por volta de 16h30. As imagens do hotel também foram analisadas, e eles não são suspeitos.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.