Continua após publicidade

Caso do brigadeirão: remédio que matou empresário foi comprado em farmácia

Segundo funcionário, suspeita fez a compra com receita médica no dia 6 de maio; documento ainda não foi apresentado

Por Da Redação
4 jun 2024, 13h22

Em depoimento à polícia, nesta segunda (3), o funcionário de uma farmácia afirmou que Júlia Andrade Carthemol Pimenta, suspeita de matar o namorado Luiz Marcelo Antônio Ormond, apresentou receita médica pra comprar o remédio Dimorf, um medicamento à base de morfina, no dia 6 de maio. A polícia investifa se os comprimidos teriam sido usado no preparo de um brigadeirão que teria sido usado por ela para envenená-lo.

+ Com 200000 doses disponíveis, prefeitura mantém vacinação contra a gripe

A polícia suspeita que o homem, que era administrador de imóveis, tenha morrido em casa no dia 17, mas o corpo só foi encontrado três dias depois, quando vizinhos acionaram os bombeiros, incomodados com o cheiro do cadáver, em avançado estado de decomposição.

No depoimento, o funcionário afirmou que viu Júlia sair de um carro alto, prata, pelo banco do carona, antes da compra. Os representantes da farmácia apresentaram um documento interno que comprova a compra do medicamento, que custou R$ 158. Eles se comprometeram em levar a receita à delegacia.

Também nesta segunda (3) esteve na 25ª DP (Engenho de Dentro) um homem identificado como o atual namorado de Júlia. Também foi ouvido o depoimento de Orlando Neto, que se identifica como cigano e é ex-marido de Suyany Breschak, mulher que se apresenta como cigana e que está presa preventivemante, já que sabia do planejamento do crime antes da morte de Ormond e teria se beneficiado posteriormente, pois recebeu de Julia bens do administrador de imóveis como pagamento por uma suposta dívida. Orlando alegou que ela teria tentado sequestrá-lo e ameaçado envenenar seus dois filhos. Ele disse ainda que recebeu um áudio e prints que davam conta que Suyany estaria vendendo o carro de Luiz Marcelo, além das armas que também estavam no veículo. A defesa de Suyany, considerada suspeita de ser mentora intelectual da morte de Luiz Marcelo Antônio Ormond, nega e diz que Orlando “sempre teve problemas pessoais, inclusive com a questão de pagamento de pensão alimentícia“. Segundo Orlando, não há pendências.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Ainda não há pistas do paradeiro de Julia, que é considerada foragida da Justiça. A Polícia Civil também pediu medidas cautelares para detectar as movimentações financeiras da suspeita do crime. Ela teria se apropriado de bens e de quantias em dinheiro da vítima.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.