Continua após publicidade

Biólogo denuncia destruição de mudas replantadas na Lagoa Rodrigo de Freitas

Segundo Mario Moscatelli, entre segunda (3) e terça-feira (4), 55 unidades foram arrancadas, das quais 32 estão picotadas e não podem ser recuperadas

Por Paula Autran
Atualizado em 4 jan 2022, 13h26 - Publicado em 4 jan 2022, 13h25

Entre segunda (3) e terça-feira (4), 55 mudas de espécies nativas de transição de mangue plantadas pelo Projeto Manguezal da Lagoa foram arrancadas de dois pontos às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas. Do total, 32 foram picotadas e não podem ser replantadas. A denúncia é do biólogo Mario Moscatelli, que há 32 anos trabalha para recuperar o ecossistema do local. De lá para cá, ele já plantou 4.500 mudas, das quais 250 foram colocadas ali de outubro para cá, quando pela primeira vez a iniciativa privada passou a apoiar a iniciativa. Na ocasião, os secretários de Meio Ambiente do estado do Rio, Thiago Pampolha, e do município, Eduardo Cavaliere, assinaram um convênio com a concessionária Águas do Rio e o biólogo para revitalização do manguezal da Lagoa.

+ Nova onda: em duas semanas, número de casos da Covid-19 sobe rapidamente no Rio

Moscatelli conta que nesta segunda-feira (3) foi informado pela equipe do projeto que vinte mudas de samambaia do brejo, que é uma espécie vegetal nativa de transição de mangue característica das lagoas do Rio, tinham sido arrancadas de um trecho entre o Túnel Rebouças e a Fonte da Saudade, e jogadas dentro d’água. Elas haviam sido plantadas há duas semanas. “Pegamos as mudas e replantamos. Esperamos que todas sobrevivam, pois se trata de uma espécie muito resistente”, diz o biólogo. “Só que nesta terça-feira (4), no trecho entre o Parque do Cantagalo e a Rua Vinícius de Moraes, 35 mudas de mangue vermelho e de samambaias do brejo foram literalmente picotadas. Só conseguimos salvar 3 destas mudas”, lamenta.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Responsável não apenas pelo replantio, mas também por retirar o lixo do entorno da Lagoa e fazer o controle fitossanitário, mantendo a saúde das plantas e a visibilidade do espelho d’água, Mario Moscatelli contactou os secretários de Meio Ambiente do estado e do município para informar o ocorrido. “Também solicitei providências à Polícia Militar, através de um site de amigos da Lagoa. Este tipo de atitude infelizmente é de gente covarde. E tamanha covardia só pode ser combatida com uma estratégia: vamos replantar todas as mudas. A pessoa que está fazendo isso vai ter que arrancar de novo. Vamos ver quem se cansa primeiro. Ou se ela será identificada e presa antes, para responder por crime ambiental“, desafia o ambientalista.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.