Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Aulas presenciais no Rio são suspensas por decisão da Justiça

Estabelecimentos de ensino estavam autorizados a abrir a partir desta segunda (5) por um novo decreto municipal, após o feriado de dez dias no estado

Por Agência Brasil Atualizado em 5 abr 2021, 11h39 - Publicado em 5 abr 2021, 11h30

A Justiça do Rio determinou a suspensão do retorno das aulas presenciais nas escolas públicas e privadas que funcionam no município. Creches e outros estabelecimentos de ensino estavam autorizados a abrir a partir desta segunda (5), por um decreto municipal, depois do feriado de dez dias no estado.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

A decisão, em caráter liminar, foi tomada pelo Plantão Judiciário no domingo (4), a pedido de um grupo de vereadores e deputados estaduais. O Ministério Público do Rio (MPRJ) se opôs à suspensão.

A Justiça considerou que o município do Rio está classificado como bandeira roxa (risco muito alto para a Covid-19) e que a taxa de ocupação de leitos de UTI para a doença é considerado “crítico” em todo o estado.

+ Cacique de Ramos vira ponto de vacinação; ‘É lá que eu vou’, diz Paes

Prefeitura

O secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha, disse que a Prefeitura do Rio ainda não foi notificada formalmente da decisão do plantão judiciário, mas assim que isso ocorrer vai entrar com recurso para tentar alterar a suspensão das aulas na cidade. Ferreirinha disse que conversou com o prefeito Eduardo Paes sobre o assunto e daí veio a decisão do recurso. Ele acrescentou que a Procuradoria do município foi avisada e está reunindo os argumentos necessários.

Continua após a publicidade

“Decisão judicial se aceita, se cumpre e podemos recorrer, que é o que faremos. Nossa recomendação às instituições privadas é que também façam isso e respeitem, enquanto uma nova decisão não saia”.

+Covid-19: Rio registra maior número de mortes em um dia desde 2020

Segundo Ferreirinha, para permitir o funcionamento seguro das escolas no município, a secretaria preparou um protocolo sanitário, que passou por avaliação do comitê científico da prefeitura e que segue práticas mundiais e orientações do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

“Nós, desde o começo da gestão, fizemos um trabalho muito cuidadoso de elaborar o melhor protocolo sanitário possível, baseado nas melhores práticas mundiais sobre o retorno às aulas, em conformidade com orientações do Unicef, da Unesco. Montamos um comitê científico conduzido pelo prefeito Eduardo Paes e o secretário de Saúde, Daniel Soranz, que validou o protocolo e recomendou a abertura das escolas e que vem dando todo o amparo científico nesse processo”, completou.

+Novo calendário: confira datas de vacinação para pessoas acima dos 60 anos

O secretário destacou que, neste momento, professores e profissionais que são de grupos de comorbidades e acima de 60 anos estão trabalhando em sistema remoto e não estão sendo expostos. Além disso, nessa etapa, as aulas são apenas para as crianças mais novas, entre 4 e 7 anos em média, que, de acordo com ele, são as que mais precisam do presencial. “São essas escolas que abrimos antes do período mais restritivo e são com elas que estamos planejando voltar”.

Continua após a publicidade
Publicidade