Clique e assine por apenas 4,90/mês

Arquidiocese recorre a campanha para manter Cristo Redentor

São quase R$ 5 milhões gastos anualmente com sua manutenção, os serviços e o pagamento dos funcionários do santuário.

Por Redação VEJA RIO - 8 dez 2016, 18h34

O Cristo redentor, uma das sete maravilhas do mundo moderno, precisará, pela primeira vez em 85 anos, de um movimento para arrecadação de fundos. São quase R$ 5 milhões gastos anualmente com manutenção, serviços e pagamento dos funcionários do santuário. A campanha “Amigo do Cristo Redentor” será lançada na próxima terça (13), no alto do Corcovado, e pretende mobilizar empresas, fiéis e moradores que se sensibilizem com a situação do ponto turístico mais visitado do país. As doações poderão ser feitas pela internet ou em depósitos na conta do santuário.

+ Shopping da Gávea recebe meditação aberta na segunda (12) 

Publicidade