Clique e assine por apenas 4,90/mês

Antes de morrer, jovem baleado na Maré disse que tiros vieram de caveirão

Velado no Palácio da Cidade, Marcos da Silva foi enterrado no São João Batista

Por Redação VEJA RIO - Atualizado em 22 jun 2018, 14h26 - Publicado em 22 jun 2018, 14h08
Fernando Frazão/Agência Brasil

Morto durante uma operação policial na Maré na última quarta (20), Marcos Vinícius da Silva apontou um caveirão como origem do tiro que o levaria a morrer. A revelação foi feita por Bruna da Silva, sua mãe, nesta quinta (21), durante o velório do menino no Palácio da Cidade.

Bruna contou que encontrou Marcos consciente após o menino ser atingido pelo tiro. Na ocasião, a criança teria informado que o disparo que a alvejou fora feito a partir de um blindado. “Ele não viu que estava com roupa de escola, mãe?”, perguntou o jovem, de acordo com sua mãe. Após o velório na residência oficial do prefeito, o garoto de 14 anos foi enterrado ontem no cemitério São João Batista.

A morte de Marcos levou a juíza Ana Almeida, da 6ª Vara de Fazenda Pública, a solicitar à Polícia Civil um relatório sobre a ação na Maré, que terminou com seis mortos. O documento deve ser entregue pelas autoridades em um prazo de 10 dias. O cumprimento de 23 mandados de prisão motivou a operação, que teve apoio do Exército e terminou sem ninguém detido.

Publicidade