Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como ajudar: família mantida em cárcere privado por 17 anos pede doações

Alimentos, fraldas, itens de higiene, roupas e materiais de limpeza podem ser entregues nos 47 centros de Referência em Assistência Social no Rio

Por Da Redação 1 ago 2022, 13h58

Abrigada por parentes, a família mantida em cárcere privado por 17 anos em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio, está precisando de doações. A mãe e os dois filhos receberam alta na noite de sexta (29) e foram levados para a casa de parentes. Eles estavam internados no Hospital Rocha Faria desde quinta (28), quando foram resgatados em condições de maus-tratos e desnutridos. Neste sábado (30), Luiz Antonio Santos Silva, que foi preso e indiciado por cárcere privado, maus-tratos e tortura contra a mulher e os filhos, passou por audiência de custódia. Ele teve sua prisão convertida de flagrante para preventiva, que não tem prazo para expirar, enquanto durarem as investigações do caso.

+ Agora é lei: Rio terá que elaborar plano para combater poluição sonora

“Fiquei 17 anos em cárcere privado sofrendo maus-tratos. Ficava sem comida, sem água e apanhando, meus filhos também amarrados, apanhava de fio e enforcava a gente também. E não tinha televisão, e às vezes ficava com o som muito alto, com a música alta no ouvido e as crianças gritando”, contou a mulher, que revelou que tentou pedir ajuda aos vizinhos. “A gente tá precisando de muita ajuda, porque estamos sem nada aqui”, completou ela. Os resgatados pedem alimentos, fraldas, roupas, calçados, itens de higiene e material de limpeza. As doações podem ser feitas nos 47 centros de Referência em Assistência Social no Rio de Janeiro.

Policiais da Delegacia da Mulher (Deam) de Campo Grande estiveram na casa de Luiz Antonio Santos Silva no último sábado (30). Em duas horas, investigadores constataram muita sujeira e pouca iluminação — já que as poucas janelas estavam tampadas. Os agentes também encontraram comida em bom estado e dentro do prazo de validade, o que leva a crer que a mãe e filhos não comiam direito não por falta de alimentos, mas por tortura. Os filhos têm 19 e 22 anos, mas, de acordo com vizinhos, aparentam ter cerca de 10 anos por causa da desnutrição.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui 

“Na geladeira, há alimentos dentro da validade, há caixas de hambúrguer, tem peixe congelado. A situação pela qual os filhos foram submetidos, e a companheira, de serem privados de alimentos, não era necessária, já que tinha a possibilidade de alimentar”, disse a delegada Cristiane Carvalho, que pretende indiciar Luiz Antonio Santos Silva por abuso psicológico. A inspeção no sábado também encontrou colchões com mofo e potes de margarina que serviam como bebedores — e que tinham lodo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês