Clique e assine com até 65% de desconto
Vinoteca Por Marcelo Copello, jornalista e especialista em vinhos Marcelo Copello dá dicas sobre vinhos

Quadrinhos harmonizam vinho e saquê

Por Marcelo Copello O mangá, antiga arte japonesa de histórias em quadrinhos, que remonta ao século VIII, quem diria, agora fala de vinho. Oishinbo é o nome de uma coleção de livros de mangá que acabo de “descobrir”. O título é uma contração das palavras japonesas “oishii” (delicioso) e “kuishinbo” (gourmand). A série conta as […]

Por marcelo Atualizado em 25 fev 2017, 19h39 - Publicado em 27 jun 2011, 13h57

Por Marcelo Copello

O mangá, antiga arte japonesa de histórias em quadrinhos, que remonta ao século VIII, quem diria, agora fala de vinho.

Oishinbo é o nome de uma coleção de livros de mangá que acabo de “descobrir”. O título é uma contração das palavras japonesas “oishii” (delicioso) e “kuishinbo” (gourmand). A série conta as aventuras do jornalista de gastronomia Shirō Yamaoka e sua parceira Yūko Kurita. Eles são escolhidos para criar o “menu definitivo”, a ser lançado como parte das comemorações dos 100 anos do Tozai News, jornal para o qual trabalham.  As pesquisas e investigações dos repórteres para a criação desta refeição modelo, que tem como objetivo mostrar o pináculo da cozinha japonesa, nos levam a um delicioso passeio por cada detalhe ou ingrediente do menu, em uma abordagem que une ficção à didática e ao bom humor.

Esta coleção, que foi lançada em 1983 e já conta com 14 exemplares, é um tremendo Best Seller, de mais de 100 milhões de exemplares, e já virou até série de TV. Para a alegria dos que (como eu) não lêem em japonês, desde 2009 está disponível uma tradução em inglês. A versão americana, que traz o subtítulo “a la carte”, foi resumida e reorganizada com um tema por exemplar, como “vegetais”, “sushi e sashimi”, “noodles” e “saquê” (o que acabo de ler).

Em suas 270 fluidas páginas de quadrinhos (que se lêem da direita para a esquerda), o “Oishinbo,  a la carte – Sake” – fala quase tanto de saquê quanto de vinho.  A linha mestra da narrativa é uma grande aula histórica, técnica e cultural sobre saquê, usando o vinho como contraponto. Fica evidente que há muita desinformação e preconceito a respeito da milenar bebida japonesa, mais ou menos como ocorreu com a cachaça durante muito tempo no Brasil. O consumo do saquê declina no Japão, pois para os “leigos” esta é uma bebida de segunda categoria. O saquê é subestimado principalmente por causa do “sanzoshu”, uma mistura de má qualidade de saquê, álcool e açúcar, produzida em quantidades industriais. O que quase todos degustamos achando que é o puro saquê é na realidade sanzoshu. Enquanto isso pequenos produtores fazem o verdadeiro saquê, que pode (segundo o livro) atingir o píncaro da qualidade, em estilos tão variados quanto o vinho, com rótulos que alcançam o mesmo status de raridade.

Continua após a publicidade

A história se desenrola com constantes comparações entre saquê e vinho, sempre reverenciando o fermentado de Baco. São citados caldos clássicos como Château Lafite, Meursault, Montrachet, Corton Charlemagne, Beaulolais Nouveau (e todos os Crus de Beaujolais), Dom Pérignon e Krug. Em um dos muitos momentos didáticos do livro (que vem com um glossário) há, por exemplo, uma aula sobre método champenoise, dada por um bartender ao protagonista. Ao mesmo tempo em que o livro venera o vinho, mostra que o saquê também tem sua nobreza e que pode superá-lo em casamentos com a culinária japonesa. Alguns dos melhores momentos do livro são passagens em que harmonizações são testadas e analisadas, enfatizando que o saquê é , assim como o vinho, uma bebida para acompanhar as refeições.

Nas entrelinhas encontra-se um quadro da moderna cultura japonesa. O alerta é dado contra o processo de ocidentalização dos costumes e suas conseqüências nocivas à maneira de se produzir e apreciar o saquê. Vale a pena uma olhada na coleção, sobretudo pelo formato e abordagem pouco comuns ao universo das bebidas.

.

Marcelo Copello (mcopello@bacomultimidia.com.br)

.

Continua após a publicidade
Publicidade