Eça de Queiroz, o grande cronista do vinho

"Caindo do alto, da bojuda infusa verde - um vinho fresco, esperto, seivoso, e tendo mais alma, entrando mais na alma, que muito poema ou livro santo."

Por Marcelo Copello

Eça de Queiroz (1845 — 1900) nasceu em Povoas de Varzim no distrito do Porto para tornar-se um dos maiores escritores lusos e sem sombra de dúvida o maior cronista da mesa portuguesa de seu tempo. Todas as suas obras são recheadas, embebidas, cobertas, empanadas, entremeadas e salpicadas do que se bebia e comia. O estilo realista de sua prosa levou-o a retratar a sociedade da época através de situações que revelavam seus costumes. Suas alusões gastronômicas tornam cada livro seu em um prato e copo cheios de milhares de citações degustáveis.

Segundo Alfredo Campos Matos no livro “Dicionário de Eça de Queiroz” pode-se contar 2.650 citações gastronômicas em sua obra. Algumas delas são bem completas, com receitas ou detalhes sobre os vinhos. Somente o jantar de Ega ao banqueiro Cohen no Hotel Central ocupa 28 páginas em “Os Maias” – talvez a obra mais comestível do autor.

No que se refere à bebidas na obra eciana, o embaixador brasileiro Dario Moreira de Castro Alves no livro “Era Porto e Entardecia” compilou 1.196 citações de 211 bebidas diferentes, sendo 484 sobre vinhos. Segundo Alves “o vinho nunca faltou na obra de Eça de Queiroz, qualquer que fosse o cenário – fino, rico, modesto, pobre ou tosco. Os personagens servem ou sorvem vinhos e outras bebidas segundo seus recursos e status social”.

Dentre os vinhos portugueses o Porto é mais presente no universo de Eça e o Vinho Verde também não foi esquecido, aparecendo inúmeras vezes em sua obra.

Com a palavra o próprio Eça:

“Serviu o Vinho do Porto para acalmar os convidados do jantar, enchendo os copos devagar, com precauções clássicas!

– 1815! – dizia. – Disto não se bebe todos os dias!”

Crime do Padre Amaro páginas 137 e 138

“Caindo do alto, da bojuda infusa verde – um vinho fresco, esperto, seivoso, e tendo mais alma, entrando mais na alma, que muito poema ou livro santo.”

A Cidade e as Serras

“E então hoje estou com uma destas sedes que só me satisfaz Vinho Verde”

Personagem João Gouveia em “A Ilustre casa de Ramirez”, página 244

Leia também: O Almirante Nelson e o Vinho do Porto

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s