Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Teatro de Revista Por Blog Por trás dos panos: reportagens, entrevistas e novidades sobre a cena teatral carioca

Imperator celebra cinco anos e muda a cara da Zona Norte

Mais de quatro milhões de pessoas aproveitaram as 2400 atividades já oferecidas no Centro Cultural João Nogueira

Por Renata Magalhães Atualizado em 14 jun 2017, 17h22 - Publicado em 14 jun 2017, 17h15
Fachada do centro cultural: o endereço na Rua Dias da Cruz já foi cinema e casa de shows Imperator/Divulgação

Gigantesco cinema na década de 50 (com 2400 lugares) e famosa casa de espetáculos nos anos 90, o Imperator se consolidou na programação cultural carioca e entrou para a história da cidade. Nomes como Tom Jobim, Tim Maia e os internacionais Tina Turner e Bob Dylan foram só alguns que passaram por seu grandioso palco. Fechado desde 95, reabriu há cinco anos como Centro Cultural João Nogueira e, desde então, coleciona números que comprovam seu sucesso: mais de quatro milhões de pessoas passaram pela casa, que faz aniversário nesta quinta (15) e comemora com uma programação especial.

O famoso endereço na Rua Dias da Cruz, no Méier, contabiliza em seu currículo 2400 atrações – número que engorda com a feijoada que será oferecida no feriado, acompanhada de contação de histórias, aula de Tai Chi Chuan e show com a Fanfarra Black Clube. Na sexta (16), o musical Bossa Nova em Concerto começa uma nova temporada, resgatando a história do gênero através de marcantes canções. Se mantiver a frequência que atingiu ao longo desta meia década, a expectativa de público para a peça encabeçada por Claudio Lins é alta – cerca de 300 000 pessoas assistiram espetáculos de arte cênica, dentre teatro adulto, infantil e musical, além de dança e circo.

Fernanda Montenegro também já batizou o palco com a peça “Viver Sem tempos Mortos” Imperator/Divulgação

“Me espanto ao perceber que já se passaram cinco anos”, afirma uma satisfeita Aniela Jordan, gestora do Imperator através da Produzir Promoções Artísticas. Desde 2012, a casa pertence à Prefeitura do Rio através da Secretaria Municipal de Cultura e possui um teatro de 642 lugares, três cinemas, uma galeria de arte, um bistrô e um belo terraço espalhados por quatro andares. Nenhuma surpresa é perceber as transformações ocorridas na Zona Norte, com novos investimentos nas regiões próximas ao Imperator e uma enorme participação dos moradores. “No fim de semana de abertura, um rapaz, dentre as 25 mil pessoas que recebemos, nos agradeceu com lágrimas nos olhos”, lembra Aniela.

Segundo a produtora, a variedade da programação cativou um público que era, até então, carente de qualquer vida cultural: “Nossa missão sempre foi a formação de público e a curadoria de uma programação cultural que abrange todas as idades”. As atividades são distribuídas ao longo das nove horas diárias que o espaço permanece aberto (nos finais de semana o número sobe para dez horas). No âmbito teatral, vale citar a passagem de Fernanda Montenegro, Gloria Menezes, Marco Nanini, Fernanda Torres com espetáculos lotados.

Cena do infantil “Mogli, O Musical” Stephanie Saramago/Divulgação

Para os próximos cinco anos, a meta é manter a qualidade da programação – muitas vezes decidida com base nos pitacos dos frequentadores. Os visitantes cuidam do espaço e estão sempre em contato com os bilheteiros – a venda de ingressos físicos é muito mais representativa do que a compra online. “Esse teatro não é meu, mas das pessoas que lá frequentam. Não poderíamos estar mais orgulhosos deste sucesso”, conclui Aniela.

Quem foi João Nogueira?

Nascido no Méier, sua contribuição para a cultura conquistou toda a cidade.  Sambista consagrado por sua rica discografia, João Nogueira (1941 – 2000) integrou  a ala de compositores da Portela, foi um dos fundadores da Tradição e criou o lendário Clube do Samba, que ajudou a revitalizar o carnaval de rua carioca. Com o Imperator – Centro Cultural João Nogueira, fica a certeza de que seu nome estará para sempre na memória do carioca.

Continua após a publicidade
Publicidade