Gregorio Duvivier lança livro com texto publicado pela primeira vez no blog

Maio de 2013 foi um mês agitado para Gregorio Duvivier. Só no teatro, ele estava em cartaz com duas peças simultaneamente: às terças e quartas, encenava o monólogo Uma Noite na Lua, de João Falcão; de quinta a domingo, estrelava o musical Como Vencer na Vida sem Fazer Força, direção de Charles Möeller e Claudio Botelho. […]

Maio de 2013 foi um mês agitado para Gregorio Duvivier. Só no teatro, ele estava em cartaz com duas peças simultaneamente: às terças e quartas, encenava o monólogo Uma Noite na Lua, de João Falcão; de quinta a domingo, estrelava o musical Como Vencer na Vida sem Fazer Força, direção de Charles Möeller e Claudio Botelho. Diante dessa jornada intensa, eu tive a ideia de convidá-lo para escrever um texto para o blog em que seus personagens nesses dois espetáculos se encontravam. Do texto de Falcão, o autor em plena crise criativa, atrás de uma ideia para uma peça que ele prometera entregar para um ator. Do musical de Frank Loesser, o limpador de janelas J. P. Finch, jovem ambicioso para subir na carreira em uma grande empresa. Publicado em primeira mão aqui no blog no dia 30 de maio do ano passado, o texto, batizado como Finch na Lua, integra Put Some Farofa, delicioso livro que Gregorio está lançando pela Companhia das Letras (capa acima).

Se você não leu na época, confira abaixo – e, por favor, vá atrás do livro, que tem outros textos tão bons quanto.

HOMEM NA LUA
Você por aqui?

FINCH
Onde é aqui?

HOMEM NA LUA
Aqui é o lugar onde os personagens ficam quando não estão sendo interpretados no teatro.

FINCH
Tá cheio, né?

HOMEM NA LUA
Hoje é segunda. Muito pouca peça em cartaz. Precisa ver isso aqui no sábado. Fica um tédio.

FINCH
Como é que você sabe disso tudo?

HOMEM NA LUA
Eu morei aqui catorze anos. Eu fui inventado pra um ator específico, em 98. Esse cara foi eu durante um ano e pouco. Aí ele foi ser outros caras. Foi só catorze anos depois que outro cara foi ser eu de novo. O mesmo cara que é você, atualmente.

FINCH
E é nós dois ao mesmo tempo? Que cara promíscuo.

HOMEM NA LUA
Muito. Ele é você de quinta a domingo. E eu às terças e quartas. E não duvido nada que na segunda ele seja outro caras.

FINCH
Então eu vou ficar aqui toda segunda, terça e quarta?

HOMEM NA LUA
Eu acho difícil. Porque a sua peça é famosa no mundo inteiro, tem sempre alguém sendo você em algum lugar do mundo. Esse seu povo da Broadway nunca vem pra cá. Tá sempre sendo montado, em algum lugar.

FINCH
Em compensação, deve ter gente que não sai daqui, né?

HOMEM NA LUA
Nem fala. Aquele velho ali chama Vovô Pimpolhão e foi escrito pra uma peça infantil de 1957, nunca remontada.

FINCH
Por que é que ninguém te remontou, nesses catorze anos que você passou aqui?

HOMEM NA LUA
Meu autor é meio chato, não gosta de me emprestar por aí.

FINCH 
Qual é o seu nome?

HOMEM NA LUA
Pergunta complicada.

FINCH
Por quê?

HOMEM NA LUA
Porque eu não tenho nome.

FINCH
É figurante?

HOMEM NA LUA
Protagonista. Mas protagonista de monólogo.

FINCH
O que é que um monólogo tem a ver com você não ter nome?

HOMEM NA LUA
Ninguém me chama na peça, então não dá pra saber meu nome.

FINCH
Eu não tenho esse problema. Tem muita gente trabalhando na Rebimboca. Falam meu nome o tempo inteiro. Até em música.

HOMEM NA LUA
Eu também tenho música. Mas não fala o meu nome. Só da Berenice.

FINCH
Berenice?

HOMEM NA LUA
É, a mulher que me deixou. A peça é sobre isso.

FINCH
Isso dá assunto pra peça?

HOMEM NA LUA
Pra muitas peças.

FINCH
Não sabia. Eu não costumo ir ao teatro.

HOMEM NA LUA
Eu também não. Mas eu escrevo teatro. Ou melhor, deveria escrever. Se não fosse a Berenice que desde que saiu da minha vida não sai da minha cabeça.

FINCH
Antes dela existir na sua vida você escrevia?

HOMEM NA LUA
Não. Mas depois ficou pior. Não consigo trabalhar porque só penso nela.

FINCH
Eu não consigo pensar em ninguém porque to sempre trabalhando.

HOMEM NA LUA
A gente tem muito a aprender.

FINCH
Também acho. Essas segundas-feiras vão ser divertidas.

VOVÔ PIMPOLHÃO
Aceitam jogar uma biriba?

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s