Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Teatro de Revista Por Blog Espetáculos, personagens, bastidores e tudo mais sobre o que acontece na cena teatral carioca, pelo olhar do crítico da Veja Rio

Companhia paulistana estreia no Rio montagem de texto do premiado Jô Bilac

Laureado pelo texto de Conselho de Classe na última edição do Prêmio APTR e no primeiro Prêmio Cesgranrio, o carioca Jô Bilac ainda era apenas um jovem e promissor dramaturgo quando, em 2007, teve encenada a tragicomédia Limpe Todo o Sangue Antes que Manche o Carpete. Para abordar a questão da busca do sucesso a […]

Por rafaelteixeira Atualizado em 25 fev 2017, 18h42 - Publicado em 17 abr 2014, 15h45

Laureado pelo texto de Conselho de Classe na última edição do Prêmio APTR e no primeiro Prêmio Cesgranrio, o carioca Jô Bilac ainda era apenas um jovem e promissor dramaturgo quando, em 2007, teve encenada a tragicomédia Limpe Todo o Sangue Antes que Manche o Carpete. Para abordar a questão da busca do sucesso a qualquer preço, o autor criou a história de Wilson, sujeito que disputa uma única vaga de trabalho em uma grande empresa. Três anos depois, o texto foi levado aos palcos de São Paulo em uma nova montagem, da Cia dos Inquietos. Apresentada por aqui em apenas três sessões no ano passado, em uma mostra do Galpão Gamboa, o espetáculo abre sua primeira temporada carioca na próxima quarta (23), na Caixa Cultural.

Um dos fundadores da Cia dos Inquietos e intérprete do protagonista, Ed Moraes recebeu do próprio Bilac, de quem é amigo, a sugestão de montar o texto. A primeira ideia era dirigir a peça, mas, após a leitura, ele optou por integrar o elenco e convidar Eric Lenate para comandar o barco. Sem ter visto a encenação carioca, Moraes diz ter se sentido mais livre. “Foi ótimo não ter assistido, por mais que eu adore o trabalho do Viniciús Arneiro (diretor da peça no Rio). Você acaba se influenciando, mesmo que inconscientemente”, diz. Quem viu a produção original e a sua montagem paulistana costuma dizer que são experiências radicalmente diferentes. “Comentam que a linguagem do Rio era mais realista no tratamento do texto. A nossa é mais expressionista, mais caricatural na composição dos personagens”, diz Moraes.

Além dele, estão no elenco Daniel Tavares — que interpreta o rival de Wilson pela vaga, Pierre —, João Paulo Bienemann e Rita Batata. Confira o serviço: Caixa Cultural — Teatro de Arena (226 lugares). Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 3980-3815, ↕ Carioca. → Quarta a domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 10h (qua. a dom.). Até 4 de maio. Estreia prometida para quarta (23).

Continua após a publicidade
Publicidade