Clique e assine por apenas 7,90/mês
Solta o som Por Blog Aqui cabe de tudo: do popular ao alternativo, do clássico ao moderno. Confira as novidades, bastidores e críticas sobre o que acontece no mundo da música dentro e fora do Rio de Janeiro

Vou festejar: Dia Nacional do Choro

  O ar bonachão e a paz de espírito permanente, segundo quem o conheceu, explicam em parte o tão usado epíteto “São Pixinguinha”. Alfredo da Rocha Vianna (1897-1973), ele mesmo, o Pixinguinha, lugar nobre garantido no panteão do choro, foi tão santo que veio a morrer, por problemas do coração, dentro de uma igreja: a […]

Por Pedro Tinoco - Atualizado em 25 fev 2017, 18h08 - Publicado em 17 abr 2015, 23h27

 

Publicidade
Pixinguinha: obrigado!

Pixinguinha: obrigado!

O ar bonachão e a paz de espírito permanente, segundo quem o conheceu, explicam em parte o tão usado epíteto “São Pixinguinha”. Alfredo da Rocha Vianna (1897-1973), ele mesmo, o Pixinguinha, lugar nobre garantido no panteão do choro, foi tão santo que veio a morrer, por problemas do coração, dentro de uma igreja: a Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, durante um batizado do qual era padrinho. Era domingo de Carnaval e, naquele triste instante, a Banda de Ipanema estava começando a desfilar. Foi ou não foi uma despedida de santo? Pois bem: pelos pioneiros e inigualáveis serviços prestados como compositor, arranjador e instrumentista, Pixinguinha teve o seu aniversário – o 23 de abril, dia de outro santo, o Jorge – transformado em Dia Nacional do Choro. A data cívica inspira festejos variados, que você confere aí embaixo. Antes da agenda, acompanhe o Trio Madeira Brasil tocando Santa Morena, de Jacob do Bandolim.  A interpretação memorável de uma composição idem resume bem o poder sagrado do choro de São Pixinguinha.

À AGENDA

Publicidade

+ Nesta edição de Veja Rio: o choro rasgado do Trio Madeira Brasil reforça a agenda festiva do choro na semana

1 Na edição deste ano, também  celebrando a abertura da Casa do Choro, bem-vindo centro cultural na Rua da Carioca, o VI Festival Nacional de Choro anima a vizinha Praça Tiradentes no sábado (25) e no domingo (26). Serão vinte apresentações com mais de 100 músicos, tudo de graça. Promete, vejam só:

SÁBADO, 25

14h – Choro na Feira (RJ)
15h – Galo Preto (RJ)
16h – Água de Moringa e Joel Nascimento (RJ)
17h – Humberto Araújo e Quarteto: Zé Paulo Becker, Manoela Marinho, Paulino Dias e Zero (RJ)
18h – Camerata Brasilis e Teca Calazans (RJ e PE)
19h – Marco César, Henrique Annes e João Lyra (PE/AL)
20h – Izaías Bueno, Israel Bueno, Déo Rian, Reco do Bandolim, Regional Imperial e Luiz Otávio Braga (SP e RJ)
21h – Alessandro Penezzi, Rogério Caetano e Bebê Krammer (SP/GO/RS)
22h – Os Matutos e Leonardo Miranda (RJ)

DOMINGO, 26

11h – Época de Ouro (RJ)
12h – Nó em Pingo D’água convida Eduardo Silva (RJ)
13h – Trio Madeira Brasil e Henrique Cazes (RJ)
14h – Mauricio Carrilho convida Paula Borghi, Pedro Aragão, Dudu Oliveira, Paulo Sérgio Santos, Marcelo Caldi e Henrique Neto (RJ/DF)
15h – Quarteto Maogani (RJ)
16h – Luciana Rabello, Cristóvão Bastos, Pedro Amorim convidam Julião Pinheiro, Magno Julio, Marijn Van der Linden e Naomi Kumamoto (RJ/Holanda/Japão)
17h – Regional Carioca e Amelia Rabello
18h – Proveta, Toninho Carrasqueira e Pedro Paes
19h – Zé da Velha e Silvério Pontes
20h – Hamilton de Holanda
20h30 – Yamandu Costa
21h – Furiosa Portátil

2 Na quinta (23), a data cívica propriamente dita, às 21h, Zé Nogueira é acompanhado por Arthur Dutra e Bruno Aguilar em um passeio pela música instrumental contemporânea. Guinga é o convidado da noite. A R$ 30,00, no Bar Semente (Evaristo da Veiga, 149, esquina com Joaquim Silva, quase embaixo dos Arcos)

Publicidade

3 Também na quinta (23), na Lona Municipal João Bosco (Avenida São Félix, 601, Vista Alegre, tel. 2482-4316), a festa vai ser longa e começa cedo: às 11h. A farra inclui feijoada, rodas diversas no entorno da Lona e, lá dentro, um show com Hamilton de Holanda, Nilze Carvalho, Joel Nascimento, Ronaldo do Bandolim, grupo chapéu de Palha e os sambistas Nelson Sargento e Dorina. Grátis.

Mestre do cavaquinho e um estudioso do choro (é o autor do livro Choro: Do Quintal ao Municipal), Henrique Cazes comanda o show Rio 450, Choro 150, quinta (23), às 19h30, no Rio Scenarium (Rua do Lavradio, 20, Lapa, tel 3147-9000).

5 Nas rodas há 25 anos, o grupo de choro Água de Moringa se apresenta com os sessenta músicos da Banda Filarmônica do Rio de Janeiro na sexta (24), às 21h. Entrada a R$ 10,00 no Imperator (Rua Dias da Cruz, 170, Méier)

6 Oi gente, chegou uma bela dica da leitora Maria Souto. Ela avisa que na quinta (23), a partir do meio-dia, vai acontecer uma edição especial do Choro no Parque, projeto gratuito normalmente realizado aos domingos no Parque das Ruínas, em Santa Teresa (Rua Murtinho Nobre, 169, perto do Largo do Curvelo). Pois bem, no feriadão do dia 23 o quarteto formado pela própria Maria Souto (flauta), além de João Souto (clarinete), Glauber Seixas (violão) e Gabriel Leite (pandeiro), recebe como convidado o pianista Cristóvão Bastos, cracaço na estrada desde o começo dos anos 1960, parceiro de nomes como Chico Buarque (em Todo Sentimento) e Paulinho da Viola (Um Choro pro Valdir).

Publicidade

8 Nessa lista não poderiam faltar duas rodas clássicas do fim de semana. No sábado, dia de feira, em geral a partir de 13h, o grupo Pixin Bodega toca na pracinha da Rua General Glicério, em Laranjeiras. A localização é estratégica: os músicos ficam em frente à clássica barraca de CDs e caipirinhas do Luizinho e a poucos metros dos vizinhos Pastel do Bigode e Bolinho de Bacalhau do Mazaropi. Comes e bebes garantidos, resta ao visitante curtir a boa música, que costuma ser agitada por canjas de nomes como Carlos Malta e Robertinho Silva e sempre termina em grande estilo, ao som de Yaô, do mestre Pixinguinha. No domingo, um pouco mais cedo, com outros (e mais numerosos) músicos, a roda reúne uma multidão em volta do coreto da Praça São Salvador. 

9 Essa dica aqui, bem bacana, é da Cibele Bahia. Trata-se do projeto Rogério Caetano Convida, sempre às sextas, no Espaço Buteco Cultural (Rua Real Grandeza, 170). Nascido em Goiânia, Rogério mudou-se ainda garoto para Brasília, onde passou de frequentador do conhecido Clube do Choro a atrações nos shows, acompanhando gente do naipe de Sivuca, Hermeto Pascoal e Altamiro Carrilho. Nesta sexta (24), a partir das 18h, ele divide repertório e improvisos com o acordeonista Bebê Kramer. Ingressos a R$ 20,00.

10 Sugestão promissora do pioneiro site Agenda do samba & choro (Não conhece ainda? Clique AQUI). Em pleno Dia Nacional do Choro – hoje mesmo, quinta (23), o 23 de abril em que nasceu Pixinguinha –, o poeta Hermínio Bello de Carvalho lança o livro de versos Meu Zeppelin Prateado na gloriosa livraria Folha Seca, na Rua do Ouvidor, 37. A farra de autógrafos, marcada para as 14h, vai ter roda de choro, evidentemente.

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade
Publicidade