Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Solta o som Por Blog Aqui cabe de tudo: do popular ao alternativo, do clássico ao moderno. Confira as novidades, bastidores e críticas sobre o que acontece no mundo da música dentro e fora do Rio de Janeiro

Rio com Mu Chebabi

  Dois dias depois de render assunto aqui no blog (ESSE AQUI), o Bar Semente volta à pauta porque a causa é nobre. Logo mais, na noite desta quarta (3), às 21h (30 reais por cabeça), o palco da Rua Evaristo da Veiga, 149, recebe Mu Chebabi. Cariocaço, o cantor, compositor e guitarrista Alfredo José […]

Por Pedro Tinoco Atualizado em 25 fev 2017, 18h04 - Publicado em 3 jun 2015, 19h10
Mu Chebabi: disco novo e show logo mais, no Bar Semente

Mu Chebabi: show no Bar Semente

 

Dois dias depois de render assunto aqui no blog (ESSE AQUI), o Bar Semente volta à pauta porque a causa é nobre. Logo mais, na noite desta quarta (3), às 21h (30 reais por cabeça), o palco da Rua Evaristo da Veiga, 149, recebe Mu Chebabi. Cariocaço, o cantor, compositor e guitarrista Alfredo José Murilo Chebabi tem carreira musical visivelmente ligada à cidade onde nasceu. Inspira-se, especialmente, em um tipo de humor sacana que nos distingue – os da gema por origem ou adoção – dos demais povos da galáxia. Ainda garoto, lá pelos 11 anos, assistiu a incontáveis sessões da peça Hoje É Dia de Rock, fenômeno da temporada de 1971 dirigido por Rubens Corrêa, em cartaz no Teatro Ipanema, perto de sua casa. Ali começou a ideia de enveredar pelas artes, teatro ou música. Deu a segunda, com uns toques da primeira.

Nos anos 80, Mu integrou o Falange Canibal, um coletivo artístico, como chamam hoje, integrado ainda por nomes como Lenine, Lula Queiroga e Bráulio Tavares. Com os parceiros Lenine e Caxa, compôs Hoje Eu Quero Sair Só, grande sucesso de Lenine. No final da década, participou do histórico, e hilariante, show Eu Vou Tirar Você Desse Lugar, que reuniu os humoristas da revista Casseta Popular e do jornal Planeta Diário no palco do extinto Jazzmania. Com a mesma galera, tornou-se produtor musical do programa Casseta & Planeta Urgente, na TV Globo. Era o responsável por paródias musicais que, na TV, arrancavam gargalhadas, e por composições que abasteceram os discos Preto com um Buraco no Meio (um acontecimento em 1989) e Para Comer Alguém (1994). Neste século XXI, investiu na carreira-solo, reunindo parcerias no disco que leva seu nome, lançado em 2001. Uma Coisa é uma Coisa, Outra Coisa É Outra Coisa ficou pronto em 2010. Em março deste ano, Chebabi lançou novo álbum, Baía de Guanabara. É esse o trabalho que o leva ao palco do Bar Semente, com os convidados Ana Costa (cantora) e Levi Chaves (clarineta), ao lado de Leo Vieira (guitarra), Zé Mario (bateria) e Reinaldo Figueiredo (baixo). Reinaldo, humorista e músico, companheiro de Mu desde os tempos de Casseta & Planeta, escreveu um texto bacana sobre o parceiro.

É esse aqui:

Continua após a publicidade

“Alô, amigos da música e do humor… O Segundo Caderno do Globo lembrou hoje (no dia 29 de maio) os Mamonas Assassinas, vinte anos após o sucesso (Explicação: a referência é a uma bela matéria do jornalista Silvio Essinger que, entre outros méritos, levantou a questão abordada pelo Reinaldo)…Mas eu queria lembrar também que, na música brasileira, o humor não está tão morto assim… Por exemplo, o cantor e compositor MU CHEBABI nunca se afastou dessa praia, desde os tempos em que era parceiro do Casseta & Planeta, em shows e discos (“Preto com um Buraco no Meio”, “Para Comer Alguém” e “The Bost Of”). No seu mais recente lançamento (Baía de Guanabara, lançado no ITunes) tem três novas pérolas: “Rebimboca da Parafuseta” , “A Vizinha é Outra História” e “A Volta dos Mortos Vivos”…No disco anterior tinha “Borogodó”, “A Beth está Chegando” e “O Gringo”. E, no seu primeiro CD, tinha “Nega Maluca” e “Bicicleta de Paraíba”… Quem quiser ver e ouvir um pouco da nova produção do MU CHEBABI é só pintar no show, lá no Bar Semente, na quarta-feira, 3 de junho, véspera de feriado…. E vamos aproveitar pra relembrar alguns sucessos da banda Casseta & Planeta: “Mitocôndria”, “O Reggae da Jamaica” e o samba-enredo “Apogeu e Glória do Rock’n Roll”, cantado pelo quase famoso puxador de samba Naldinho da Gamboa (este locutor que vos fala…) Galera, o humor na música brasileira não morreu. O povo é que tem que saber onde ele está. Um grande abraço a todos.”

P.S. – o show será dedicado a Paulinho Albuquerque, produtor, diretor e guru dos Cassetas, que hoje faria 73 anos

OUÇA AQUI “REBIMBOCA DA PARAFUSETA”, UMA DAS FAIXAS DO NOVO DISCO

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=d2sO71VMclw?feature=oembed&w=500&h=281%5D

 

Continua após a publicidade
Publicidade