Clique e assine por apenas 7,90/mês
Solta o som Por Blog Aqui cabe de tudo: do popular ao alternativo, do clássico ao moderno. Confira as novidades, bastidores e críticas sobre o que acontece no mundo da música dentro e fora do Rio de Janeiro

Raul Seixas e Paulo Coelho na trilha sonora de O Rebu

No primeiro capítulo da novela O Rebu, o remake, exibido em 14 de julho, Sophie Chalotte lacrou a alma das inimigas ao cantar Sua Estupidez (assista à cena AQUI), de Roberto e Erasmo Carlos, com afinação charmosa e chorando feito Neymar. O Rei nem pensou em censurá-la: malandrão, havia autorizado a gravação por telefone, ligando […]

Por Pedro Tinoco - Atualizado em 25 fev 2017, 18h35 - Publicado em 25 jul 2014, 16h42
Capa e contracapa do LP original: trilha inesquecível

Capa e contracapa do LP original: trilha inesquecível

No primeiro capítulo da novela O Rebu, o remake, exibido em 14 de julho, Sophie Chalotte lacrou a alma das inimigas ao cantar Sua Estupidez (assista à cena AQUI), de Roberto e Erasmo Carlos, com afinação charmosa e chorando feito Neymar. O Rei nem pensou em censurá-la: malandrão, havia autorizado a gravação por telefone, ligando direto para a atriz com aquele jeito de “eu te darei o céu meu bem”. Bom, isso tudo é sabido. O que ficou meio para trás, mas não devia, foi a trilha sonora nacional da novela original, de Bráulio Pedroso, transmitida pela mesma Globo de 4 de novembro de 1974 a 11 de abril de 1975.

Das catorze canções brasileiras que embalaram a primeira trama, apenas três não foram assinadas por Raul Seixas, Paulo Coelho ou os dois juntos. As exceções são o sambão Salve a Mocidade, de Luiz Reis, gravado por Elza Soares, o instrumental Tema Dançante, de Roberto Menescal, defendido pela Orquestra Som Livre (sim, houve um tempo em que numerosos conjuntos musicais faziam o trabalho hoje reservado a um computador), e Trambique, parceria de Adilson Manhães com o rei das marchinhas João Roberto Kelly, registrada por um Raul de voz empostada.  O disco inteiro é uma delícia (ouça AQUI o bolerão Planos de Papel, de Raul, cantado por uma jovem Alcione) e traz pelo menos um clássico da histórica dupla Paulo Coelho e Raul Seixas: Como Vovó Já Dizia, aquela do “quem não tem colírio usa óculos escuros”. Confira, abaixo, a música e, mais abaixo ainda, uma versão bem doida, ao vivo, estrelada por Raul Seixas.

 

Publicidade

A MÚSICA

UMA VERSÃO BEM DOIDA, AO VIVO, COM RAUL SEIXAS

 

Publicidade

 

Publicidade
Publicidade