Clique e assine por apenas 4,90/mês
Solta o som Por Blog Aqui cabe de tudo: do popular ao alternativo, do clássico ao moderno. Confira as novidades, bastidores e críticas sobre o que acontece no mundo da música dentro e fora do Rio de Janeiro

Novo rock carioca

Ciro Acioli era uma criança relativamente bochechuda de 10 anos quando interpretou Noel Rosa na infância – foi no musical infantil Garoto Noel, de 1999, escrito e dirigido por sua mãe, a atriz, autora e diretora Karen Acioly. Ele cresceu, trocou as bochechas por costeletas e, desde 2011, voltou aos palcos no papel de vocalista […]

Por Pedro Tinoco - Atualizado em 25 fev 2017, 18h57 - Publicado em 21 set 2013, 00h13

Os Tangarás: rock inglês, jovem guarda e outras bossas reunidos num som bem original

Ciro Acioli era uma criança relativamente bochechuda de 10 anos quando interpretou Noel Rosa na infância – foi no musical infantil Garoto Noel, de 1999, escrito e dirigido por sua mãe, a atriz, autora e diretora Karen Acioly. Ele cresceu, trocou as bochechas por costeletas e, desde 2011, voltou aos palcos no papel de vocalista da banda Tangarás. De Noel ficou só o nome do grupo (inspirado no Bando de Tangarás, conjunto da primeira metade do século passado que reuniu os gloriosos Almirante, Braguinha e Noel). Ciro, Nino Ottoni (guitarra e voz), Miguel Dias (baixo e voz), Pitter Rocha (guitarra) e João Carrera (bateria) fazem rock, com um pé na Inglaterra, a de Beatles, The Kinks, Stones, Blur e Oasis, e outro nas coisas nossas. O primeiro EP chegou às redes sociais em dezembro do ano passado, com cinco faixas, e atraiu a atenção do jornalista Arthur Dapieve, uma enciclopédia musical e botafoguística.

Dapieve gostou particularmente da canção Você Ainda Vai Me Ver com Outra e, em artigo publicado em fevereiro no jornal O Globo, encheu a bola do grupo. No disco que acaba de gravar, mas ainda não lançou, o quinteto acrescentou outras onze composições. Na lista entraram as canções do EP, revisitadas, inéditas próprias e inventivas interpretações para Coroné Antonio Bento (de Luiz Wanderley e João do Vale), imortalizada por Tim Maia, e Being for The Benefit of Mr. Kite, prensada originalmente no LP SgtPepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles. Ouça as três clicando aqui, ou ao vivo: atrações musicais do Festival Intercâmbio de Linguagens (FIL), entre espetáculos teatrais e exposições da variada programação do evento, eles se apresentam no Oi Futuro Ipanema, na quarta (25), às 20h – junto com os contemporâneos, também cariocas, do grupo Os Dentes. Antes, na terça (24), nos mesmos horário e lugar, tem mais rock novíssimo: é o dia de Mara Rúbia e Os Azuis.

DOIS DEDOS DE PROSA COM CIRO ACIOLI, VOCALISTA DO TANGARÁS

Continua após a publicidade

Onde vocês já tocaram?

Estamos juntos há dois anos e, curiosamente, nosso primeiro show foi no Oi Futuro Ipanema. Abrimos para o Mu Chebabi. Também já passamos por Saloon, Teatro Ipanema, Teatro do Jockey, Casa da Matriz, o pátio da Facha (Faculdade Hélio Alonso). O circuito é esse, não tem muito o que inventar. Na Lapa tocamos num lugar que era reduto de rock alternativo, num dia, e bordel no outro. Foi engraçado.

Como foi o processo de gravação do disco?

O disco tem doze faixas, seis inéditas, duas versões e quatro que já estavam no EP lançado em dezembro do ano passado. Gravamos na Toca do Bandido, estúdio maravilhoso em Jacarepaguá. Chegamos lá, a galera do Milton Nascimento estava gravando. Optamos por fazer ao vivo, todos na mesma sala, com canais diferentes, mas tocando juntos, para não ter corte e colagem. Fica mais orgânico. Hoje neguinho tem mania de afinar a voz do cara depois, acertar aqui e ali usando tecnologia.

Publicidade