Clique e assine por apenas 4,90/mês
Solta o som Por Blog Aqui cabe de tudo: do popular ao alternativo, do clássico ao moderno. Confira as novidades, bastidores e críticas sobre o que acontece no mundo da música dentro e fora do Rio de Janeiro

As muitas caras musicais de Arnaldo Antunes

  Arnaldo Antunes pega a ponte-aérea para, na terça (11), às  21h, no Theatro Net Rio, mostrar mais uma vez aqui na cidade seu delicioso espetáculo com dois violões. Ao vivo, acompanhado apenas pelas cordas de Chico Salém e Betão Aguiar, ele empresta suavidade à interpretação de canções como O Pulso e Essa Mulher. No […]

Por Pedro Tinoco - Atualizado em 25 fev 2017, 18h46 - Publicado em 7 mar 2014, 20h57
Arnaldo em foto de Frederic Jean: talento múltiplo

Arnaldo em foto de Frederic Jean: talento múltiplo

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Arnaldo Antunes pega a ponte-aérea para, na terça (11), às  21h, no Theatro Net Rio, mostrar mais uma vez aqui na cidade seu delicioso espetáculo com dois violões. Ao vivo, acompanhado apenas pelas cordas de Chico Salém e Betão Aguiar, ele empresta suavidade à interpretação de canções como O Pulso e Essa Mulher. No palco, pega mais leve até naquele seu elástico, e tremendamente divertido, jeito de dançar. O show é um barato, mas o assunto aqui é outro: essa é uma das suas muitas caras musicais. Chama atenção a forma como o ex-titã inventa (e se reinventa) artisticamente, sem parar, desde o início da carreira. Lá nos primórdios, ele integrava a turma de Aguilar e a Banda Performática, conhecida em São Paulo por seus shows com cara de happening, liderado pelo artista multimídia José Roberto Aguilar. O grupo chegou a gravar um disco em 1982, mesmo ano em que Arnaldo passou-se para o Titãs do Iê-Iê, depois abreviado para o até hoje famoso Titãs. Dez anos depois, ele deixou a banda para engrenar em versátil carreira solo. Durante todo esse tempo, Arnaldo Antunes já fez pop farofa com os Tribalistas (ao lado de Marisa Monte e Carlinhos Brown), participou de um divertido conjunto fake (Vestidos de Espaço, em 1988), compôs trilha sonora para o grupo Corpo (a coreografia O Corpo, de 2000), gravou, com Edgar Scandurra e o malinês Toumani Diabaté, mestre do corá, uma espécie harpa africana, o belo disco A Curva da Cintura (2011), lançou o projeto infantil Pequeno Cidadão (2009), emprestou especial interpretação para composições de Nelson Cavaquinho (Juízo Final) e Lupicínio Rodrigues (Judiaria)… Fez de um tudo. Confira, abaixo, alguns desses momentos únicos.

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Em 1988, Arnaldo, os também titânicos Branco Mello e Charles Gavin, além da cantora Paula Toller, entre outros caras de pau, inventaram a banda Vestidos de Espaço para mostrar que era fácil estourar com música ruim. Conseguiram.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=9F9wIxnApBY?feature=oembed&w=500&h=375%5D

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Com o parceiro fiel Edgar Scandurra, Arnaldo fez muitos projetos: em um deles só os dois dividiram o palco para interpretar composições como Elisa, de Serge Gainsbourg.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=MpoaLNvdZ2k?feature=oembed&w=500&h=281%5D

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Scandurra, de novo, Arnaldo Antunes e o malinês Toumani Diabaté gravaram o belo A Curva da Cintura. Uma das faixas do disco é Que Me Continua.

Continua após a publicidade

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=r3qm3KJgjK0?feature=oembed&w=500&h=375%5D

Publicidade