Clique e assine por apenas 3,90/mês
RJ-450 Na contagem regressiva para os 450 anos do Rio de Janeiro Por Blog Bares, histórias e encantos do Rio de Janeiro

Um cometa no tempo de Pereira Passos

Se não fosse pela bola de fogo que cruzou o céu da Rússia em fevereiro, talvez a passagem do cometa PanSTARRS no fim da tarde de ontem não despertasse tanta atenção do público. No início do século passado, no entanto, um fenômeno astronômico dessa magnitude era um verdadeiro acontecimento. Já esgotado, o livro O rastro […]

Por rafaelsentose - Atualizado em 25 fev 2017, 19h13 - Publicado em 7 mar 2013, 11h28

Se não fosse pela bola de fogo que cruzou o céu da Rússia em fevereiro, talvez a passagem do cometa PanSTARRS no fim da tarde de ontem não despertasse tanta atenção do público. No início do século passado, no entanto, um fenômeno astronômico dessa magnitude era um verdadeiro acontecimento. Já esgotado, o livro O rastro do cometa – O Halley na imprensa carioca de 1910  (Editora JB) mostra bem a comoção que tomou conta da cidade. O fato serviu de matéria-prima não apenas para os intrépidos jornalistas, chargistas e desenhistas de então como inspirou até o carnaval. Num dos registros mais curiosos da obra está a foto de um carro alegórico de tração animal, puxado a cavalo.

Abaixo, vemos o apocalipse segundo J. Carlos (1), considerado o maior chargista da época; uma ilustração de inspiração art-nouveau (2); o prefeito Pereira Passos (3), em primeiro plano, com as mãos nas cadeiras; o tal do carro alegórico (4)  levando o cometa na velocidade de dois pangarés; a cauda na qual o chargista K.Lixto estava interessado (5); e a propaganda da Fábrica Brasil (6), loja de roupas e acessórios: “Vêr para crer e o mais são lorotas”

de-j. carlos-a-pereira-passos

 

Continua após a publicidade
Publicidade