Clique e assine por apenas 3,90/mês
Maresia Fluminense Por Blog

O casarão de Araruama

Quem passa pelo quilômetro 27 da Via Lagos, em Araruama, vê à direita um belo casarão de traços neoclássicos muito preservado. É a antiga sede da Fazenda Aurora, erguida em 1862 pelo português Francisco Pereira da Costa Vieira, onde está instalado o Museu Arqueológico de Araruama. Tombado pelo instituto Estadual de Patrimônio Cultural, o prédio […]

Por juliobarros - Atualizado em 25 fev 2017, 18h59 - Publicado em 27 ago 2013, 22h44

Quem passa pelo quilômetro 27 da Via Lagos, em Araruama, vê à direita um belo casarão de traços neoclássicos muito preservado. É a antiga sede da Fazenda Aurora, erguida em 1862 pelo português Francisco Pereira da Costa Vieira, onde está instalado o Museu Arqueológico de Araruama.

Tombado pelo instituto Estadual de Patrimônio Cultural, o prédio se tornou sede do museu em 2006 e é mantido pela prefeitura de Araruama.

O MAA conta um pouco da história dos povos que viveram na região antes da descoberta do Brasil. No município há 20 sítios arqueológicos onde foram localizados objetos que pertenceram aos tupinambás.

Infelizmente, por falta de estrutura adequada, o acervo de interesse arqueológico recolhido na região está no Museu Nacional no Rio de Janeiro.

Mas há visitas monitoradas, painéis e uma iconografia que ajuda os visitantes a entender um pouco do passado desta terra.

O museu funciona de terça a domingo, inclusive feriados, das 9 às 17 horas, mas na nossa visita, numa quarta-feira por volta das 11 horas, estava tudo às moscas. O prédio fechado, nenhum aviso e ninguém para informar alguma coisa.

Se a ausência do rico acervo e a casa fechada são uma decepção para quem tenta visitar o MAA, a construção em si compensa. Além da casa grande, os anexos, armazéns, cavalariça etc. exibem o mesmo cuidado de restauração.

 

Nos fundos, jardins e a rampa do armazém.

Continua após a publicidade

O casarão, erguido no auge do ciclo do café fluminense, é um registro imponente do poderio dos barões rurais.

Instalado num terreno de cinco mil metros quadrados de área, a quatorze quilômetros do centro de Araruama, a construção de tímido estilo neoclássico no prédio principal, descamba para o singelo estilo colonial brasileiro nos prédios secundários.

O contraste é vísivel: à esquerda o janelão com vidros, um certo acabamento na alvenaria, eira e beira. À direita, a pobreza remanescente do colonial.

Janelas e portas de tábua corrida, sem bandeira ou vidro.

O conjunto, no entanto, tem uma beleza indiscutível. Não vimos o acervo, nem ao menos o interior do casarão. Mas a vista do conjunto, o velho pátio onde o café secava, o armazém, e a sede da Fazenda Aurora, como em seu momento de maior esplendor, valeram a pena.

De passagem rumo aos lagos, vale a parada.

(Fotos: Julio Cesar Cardoso de Barros)

 

Continua após a publicidade
Publicidade