Clique e assine com até 65% de desconto
Maresia Fluminense Por Blog

Badalaçao na Rua das Pedras

A Rua das Pedras é o centro da badalação noturna em Búzios. É lá que estão boates, restaurantes, bares e creperias. Quando a noite cai, como em qualquer cidadezinha do interior, o local fica apinhado de jovens bem comportados fazendo o footing. Os de mau comportamento só chegarão mais tarde, para encher a cara e […]

Por juliobarros Atualizado em 25 fev 2017, 18h48 - Publicado em 12 fev 2014, 00h43

A Rua das Pedras é o centro da badalação noturna em Búzios. É lá que estão boates, restaurantes, bares e creperias. Quando a noite cai, como em qualquer cidadezinha do interior, o local fica apinhado de jovens bem comportados fazendo o footing. Os de mau comportamento só chegarão mais tarde, para encher a cara e chacoalhar a roseira nas danceterias e baladas da moda.

Este é um flagrante de uma noite de inverno, imagine no verão.

Mas durante o dia, o lugar fica quase deserto, muitas lojas só abrem bem tarde.

Mesas vazias aguardam a clientela que se recolheu na madrugada e demora para sair de casa para almoçar.

A casa localizada numa galeria na ponta da rua, por onde desfilam diariamente bandas de rock e blues clássicos, está assim. Tudo pronto, mas às moscas.

O cenário é de cidade fantasma ao longo do dia, mas quando a noite chega os riffs de guitarra gritam alto.

Na creperia, uns poucos funcionários tomam as primeiras providências, fazendo a reposição de produtos, arrumando as mesas, limpando a bagunça da noite anterior.

Lojinhas, que ocupam velhos imóveis recuperados ou novas construções imitando antigas casinhas de pescadores, vão se abrindo aos poucos para os primeiros turistas.

A churrascaria argentina já está aberta desde o almoço, mas o trabalho pesado está apenas começando. A noite vem chegando e é nesse momento que a casa tem todas as mesas ocupadas. Nas terças-feiras, um casal dança tango entre as mesas.

A noite chega e a travessa, tomada por butiques e lanchonetes, dá acesso à rua onde ficam restaurantes e comércio mais populares. Todos ainda estão à espera do movimento maior de clientes.

Continua após a publicidade

Antes de seguir para o arrasta-pé, pode-se comer uma pizza muito boa, como em poucos lugares da região dos lagos.

Na creperia, que fervilha por toda a noite a pleno vapor, jovens já se aboletam nas banquetas ao longo do balcão ou nas dezenas de mesinhas do pátio ao lado ou na calçada. É um point badalado há décadas.

Alimentados, os turistas passeiam apreciando as vitrines. Lojas de grife e de marcas esportivas permanecem abertas até tarde.

A rua também é conhecida por suas galerias, ateliês e lojas de arte.

Quando escurece, bares para todos os gostos se abrem dos dois lados da via.

Na casa de música latina, casais jantam e arriscam os primeiros passos na pequena pista de danç

A franqueada da boate famosa de Ibiza, com filiais em várias partes do mundo, fica repleta nos finais de semana, mesmo fora da temporada.

Em algumas esquinas o pedestre tem de passar pelo meio da rua, já que as calçadas são ocupadas pelas mesinhas, sem a menor cerimônia.

O dia chega e o Sol já aquece a praia do Canto, à qual se tem acesso pelas galerias e vielas da Rua das Pedras.

 Quando o dia amanhece, a badalação dá lugar ao sossego. Os notívagos finalmente se renderam ao cansaço. A Rua das Pedras está quase deserta novamente.

 (Fotos: Julio Cesar Cardoso de Barros)

Continua após a publicidade
Publicidade