Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Manual de Sobrevivência no século XXI Por Analice Gigliotti, Elizabeth Carneiro e Sabrina Presman Psiquiatria

“A Força do Querer”: quando a saúde mental está “em jogo”

Acaba de estrear na TV Globo a reprise da novela “A força do querer”. Como todas as tramas escritas por Gloria Perez, a trama é farta em questões sociais: a autodescoberta da transsexualidade por Ivana (Carol Duarte), a ascensão de Bibi Perigosa (Juliana Paes) no mundo do crime e a psicopatia destruidora de Irene (Debora Falabella) são alguns exemplos. Embora exibida há pouco tempo, em 2017, é normal que algumas tramas de folhetim percam a força, enquanto outras ficam ainda mais relevantes. É o caso da Silvana, interpretada por Lilia Cabral. Viciada em partidas de pôquer, a personagem não se dá conta que a cada nova rodada de carteado o que está em jogo, na verdade, é sua vida pessoal, profissional, familiar e financeira.

Em 2017, a Organização Mundial da Saúde (OMS) colocou o Transtorno de Jogo no Código Internacional de Doenças, ao lado da dependência do álcool, cocaína e de outras drogas. Segundo levantamento feito à época pelo Departamento de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP), a compulsão por jogos atinge cerca de 1% da população brasileira, totalizando mais de 2 milhões de viciados.

Viciados em jogos de azar apresentam sinais de descontrole sobre o impulso de apostar. Estudos indicam, inclusive, que o desejo compulsivo para jogar chega a ser significativamente maior do que a de alcoolistas para consumir álcool. Geralmente são pessoas que afirmam que nunca mais vão jogar e no dia seguinte já estão jogando. Outro traço é o descontrole financeiro: dizem que vão apostar pouco, mas são capazes de gastar o salário de um mês em uma única noite. O dependente tem um vínculo nefasto: ele frequentemente retorna à casa de jogo para tentar recuperar o que perdeu no dia anterior. Ele passa a mentir para conseguir jogar, perde compromissos e oportunidades de trabalho. O jogador compulsivo desenvolve uma dependência comportamental grave, que cursa com alto risco de suicídio – pesquisas indicam que até 24% dos indivíduos com transtorno de jogo já tentaram tirar a própria vida. “Silvanas” cujos dramas reais extrapolam a tela da televisão.

A pandemia que trancou-nos a todos em casa por meses trouxe um dado novo. Se antes era preciso que o jogador saísse de casa para apostar em cassinos clandestinos ou em corridas de cavalo, agora é possível girar a roleta dentro de casa, na tela do computador. Isolados e entediados, muitas pessoas aderiram ao vício das apostas online. Conectados em rede, milhares de pessoas sentam-se à mesa virtual de pôquer, onde se aposta dinheiro alto debitando do cartão de crédito. Até mesmo os jogos “oficiais”, como Quina e Mega Sena, podem ser apostados online. A tentação da aposta ao alcance de um clique. Se abordarmos o mundo dos aparentemente inocentes games, o que vemos é dezenas de milhares de adolescentes absolutamente dependentes, emendando horas a fio diante da tela, muitas vezes pulando refeições e higiene pessoal.

Mesmo com tudo que se sabe dos malefícios do jogo, o Governo Federal alimenta o projeto de liberar o jogo no Brasil, proibido em 1946, pelo presidente Dutra. O apetite sobre os jogos de azar se justifica pelos números. Segundo o Instituto Brasileiro Jogo Legal, jogo do bicho, caça-níqueis, bingos e apostas na internet alcançariam a assombrosa receita de 20 bilhões de reais ao ano.

O que precisa ser considerado é que quanto mais disponível o jogo estiver, maior será o número de pessoas vulneráveis aos seus danos. A liberação do jogo vai estimular o crescimento do número de jogadores patológicos, o que terá um efeito dominó na dinâmica das famílias. Se proibir o jogo não resolve o drama da dependência, ao menos reduz a exposição ao perigo. Pesquisas afirmam que, se os jogos de azar fossem liberados, o número de dependentes dobraria. Portanto, colocar todas as fichas no retorno financeiro dos jogos de azar é um blefe, uma péssima aposta na saúde da sociedade brasileira.

Analice Gigliotti é Mestre em Psiquiatria pela Unifesp; professora da Escola Médica de Pós-Graduação da PUC-Rio; chefe do setor de Dependências Químicas e Comportamentais da Santa Casa do Rio de Janeiro e diretora do Espaço Clif de Psiquiatria e Dependência Química.

Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
“A Força do Querer”: quando a saúde mental está “em jogo”
  • Jogos de azar, mesas de pôquer online, games e pandemia aumentam o número de dependentes de jogos no Brasil

Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Você ainda não tem acesso a esta marca. Escolha uma das ofertas abaixo para assinar

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

OFERTA
BLACK

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 14,90/mês

ou

OFERTA
BLACK

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado, com Blogs e Colunistas que são a cara da cidade.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

App Veja para celular e tablet, atualizado mensalmente com todas as edições da Veja Rio

a partir de R$ 12,90/mês

a partir de R$ 6,90/mês
(47% de desconto)